Maníaco, diz delegado sobre suspeito de estuprar mulheres de colegas de trabalho em SP

Anúncio
Clique na imagem. Link direto para Whatsapp


Operador de 37 anos foi preso em Sertãozinho (SP), por suspeita de cometer crimes em Pitangueiras, SP, a 31 quilômetros. DNA dele foi encontrado no corpo das vítimas, afirma polícia.

O delegado de Pitangueiras (SP), Cláudio Messias Alves, disse que o operador preso por suspeita de estuprar quatro mulheres de colegas de trabalho é um criminoso em série.

Rodolfo Aparecido de Souza, de 37 anos, foi preso temporariamente na semana passada. Ele foi encontrado na usina onde trabalha, em Sertãozinho (SP), e levado à Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Segundo Alves, ele negou a autoria dos crimes. “É um maníaco. É possível que tenha praticado outros crimes”, diz o delegado.

Desde 2018, a Polícia Civil investiga oito roubos seguidos de estupro, em Pitangueiras. De acordo com o delegado, testes de DNA confirmaram que Souza está envolvido em quatro deles.

A investigação ainda aguarda o resultado de exames que possam ligar o suspeito aos outros casos. A polícia não informou para qual unidade prisional Souza foi levado. O suspeito ainda não tem um advogado constituído. No momento da prisão, ele negou a jornalistas a autoria dos crimes.

Suspeito de estupros em série em Pitangueiras, SP, é preso em Sertãozinho, SP — Foto: José Augusto Júnior/EPTV

Denúncias levaram ao suspeito

Segundo o delegado seccional José Carvalho de Araújo Júnior, a Polícia Civil chegou ao suspeito após a divulgação de um vídeo, em abril deste ano. As imagens mostram o momento em que um homem invade uma casa, na madrugada de 9 de abril.

A moradora, que estava sozinha, não chegou a ser atacada, mas R$ 2 mil foram levados do imóvel.

O vídeo e as características do suspeito relatadas pelas mulheres estupradas ajudaram a Polícia Civil a elaborar um retrato falado. Denúncias anônimas levaram à identificação de três possíveis autores.

O delegado diz que eles concordaram em ceder amostras de sangue para comparar ao material genético encontrado no corpo das vítimas. Segundo a polícia, os testes apresentaram compatibilidade para Souza. “Restou positivo com 100% de segurança em quatro casos de roubo seguido de estupro”, diz o delegado Alves.

Os delegados Cláudio Messias Alves, de Pitangueiras, SP, e José Carvalho de Araújo Júnior, seccional — Foto: José Augusto Júnior/EPTV

Vítimas escolhidas

Durante a investigação, a polícia apurou que Souza conhecia a rotina das vítimas e que havia um único modo de ação.

“Descobrimos que ele tinha algum envolvimento no trabalho com alguns maridos daquelas mulheres que ele estuprou. Ele tinha conhecimento que o marido estava trabalhando na mesma usina e aproveitava a noite, sempre por volta das 3h, seguia para a casa da vítima. Ele sabia que ela estava sozinha e praticava o estupro e o roubo”, afirma Araújo Júnior.

O delegado seccional diz que ele as ameaçava de morte, usando uma faca ou uma chave de fenda. Em um dos depoimentos, a vítima chegou a afirmar à polícia que foi estuprada com o filho bebê no colo.

“Todos os casos chamam muito a nossa atenção, são muito graves. É uma pessoa que não reconhece, que até agora não demonstrou nenhum sentimento pelo o que ele fez. Isso o torna um monstro praticamente.”