Médica e dois atendentes são demitidos por negar atendimento com ambulância: ‘Samu não é táxi’

Por G1 São Carlos e Araraquara

Uma médica e dois atendentes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de São João da Boa Vista (SP) foram demitidos por justa causa, na segunda-feira (21), por omissão de socorro a um aposentado de 78 anos.

A profissional de saúde negou o envio de uma ambulância a um paciente entre a noite do dia 7 de janeiro e a madrugada do dia 8, em Espírito Santo do Pinhal (SP), e disse que “Samu não é táxi”. O aposentado Geraldo Vicente morreu 12 horas depois da solicitação.

O advogado da médica, Elias Curvelo, informou que irá recorrer à decisão e que todos os protocolos do Samu foram seguidos. Os atendentes não foram localizados para comentar o caso.

Áudio do atendimento

Em áudio particular gravado pelo vizinho, o homem pergunta sobre o serviço mais de uma vez e a mulher explica que já havia conversado com a esposa do paciente e a responsabilidade era do município. (Veja abaixo a íntegra do atendimento).

Vizinho: Doutora Vera, é o seguinte. Foi solicitado uma ambulância para dirigir o ‘seu’ Geraldo ao hospital, que ele não ‘tá’ passando bem.

Médica: O que você é dele?

Vizinho: Na verdade, é o seguinte. Mora ele e a esposa, são um casal de idosos e ele não tem ninguém…

Médica: O que você é dele?

Vizinho: Eu sou vizinho dele, só que quem…

Médica: Eu já conversei com a esposa, tá bom? Quando o vizinho liga a gente pede para chamar o familiar.

Vizinho: Não, sim… Só que é o seguinte, ele ‘tá’ passando mal.

Médica: Você pode levar por conta própria. Você tem carro? Você pode levar.

Vizinho: Eu tenho carro, só que se eu tivesse o carro e eu ‘tivesse’ lá perto dele eu já tinha levado né doutora, não ‘tava’ solicitando vocês.

Médica: É que o caso dele eu já conversei com a esposa que é responsável por ele. Eu não posso falar com você.

Vizinho: A senhora vai negar o transporte? É só isso que eu quero saber.

Médica: Não, mas o Samu não é transporte, Samu não é táxi. Eu vou te explicar o que aconteceu com ele: a esposa dele deu café preto com queijo, aí ele pegou e vomitou três vezes. Nem diarreia ele está. Não é caso para ambulância do Samu.

Vizinho: Ah, então ‘tá’ bom.

Médica: Ele precisa de um médico? Precisa, mas é pela ambulância do município.

Vizinho: A senhora não vai mandar a ambulância do Samu, é isso que eu quero saber, doutora. É só isso.

Médica: Você não quer entender para que serve o serviço do Samu, obrigada e boa noite.

Comissão analisou a gravação

Segundo o presidente do Consórcio de Desenvolvimento da Região de São João da Boa Vista (Conderg), Amarildo Duzi Moraes, a decisão foi tomada a partir da análise das gravações completas das ligações e de depoimentos de servidores relacionados ao Samu. O Samu Regional de São João atende 10 cidades.

O processo administrativo para que a comissão avaliasse a conduta da médica e dos atendentes foi instaurado no dia seguinte ao ocorrido.

“Ouvindo essas pessoas, ouvindo as gravações, esse conjunto de provas, a comissão de forma unânime propôs a demissão por justa causa por descumprimento no protocolo do Samu no atendimento. E a superintendência acatou integralmente o que eles propuseram, conforme previsto na legislação”, disse.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT