Menina de 9 anos morre depois de se enrolar em corda de balanço em SP

Segundo informações da polícia, balanço ficava amarrado em uma árvore, no quintal da casa da família. Vítima foi encontrada pela irmã de 12 anos com a corda no pescoço; ela foi socorrida, mas chegou morta a pronto-atendimento.

Uma menina de 9 anos morreu enquanto brincava em um balanço, na tarde desta quinta-feira (11), em Biritiba Mirim, segundo a polícia. A vítima estava no quintal de casa quando teria se enrolado na corda do brinquedo. A criança foi encontrada pela irmã de 12 anos, já desfalecida, com a corda no pescoço. Ela foi levada para o pronto-atendimento, mas chegou sem vida.

De acordo com a polícia, o balanço ficava amarrado por uma corda em uma árvore, no quintal da casa da família, no bairro do Nirvana. Segundo o relato da família na delegacia, a irmã mais velha, de 12 anos, viu a vítima com a corda no pescoço e chamou por socorro.

Um tio de 15 anos constatou que a criança estava desfalecida e resolveu chamar pelos pais dela. A família, então, saiu de carro em busca de ajuda, até encontrar uma viatura da Polícia Militar, que fazia patrulhamento na região central da cidade.

clique na imagem e saiba mais

Segundo informações do boletim de ocorrência, os pais da menina pediram socorro aos policiais, que os ajudaram a levar a criança até o Pronto Atendimento Municipal Irio Taino. “Eles [policiais] abriram caminho para facilitar e agilizar chegada da família, que estava com a vítima no carro particular, até o hospital local”, contou o capitão da PM Erick Anjo.

No entanto, a vítima já chegou morta. O caso foi registrado na delegacia de Biritiba Mirim como morte acidental e será investigado. “A declaração que eles [pais] passaram é que a criança estava balançando lá, se enrolou com a corda do próprio balanço no pescoço e acabou se enforcando. Essa é a informação passada pela família”, afirmou o capitão.

A polícia pediu exame pericial do local e o corpo da menina foi levado ao IML de Mogi das Cruzes, onde passará por necropsia. O delegado César Donizeti Benedicto disse que apenas o laudo vai apontar a causa da morte e o documento deve sair em 30 dias.

ÁGIL DPVAT