Mercado de flores sinaliza retomada e tem aumento de 35% nas vendas em Holambra, SP

Crescimento foi contabilizado em julho deste ano, no comparativo com o mesmo mês de 2019. Associação de produtores credita resultado positivo às estratégias de vendas pela internet.

Após um período de queda no número de vendas e prejuízo financeiro milionário, o mercado de flores em Holambra (SP) sinaliza uma retomada em meio à crise provocada pela pandemia da Covid-19. Uma associação de produtores registrou o aumento de 35% nas vendas em julho deste ano, no comparativo com o mesmo mês de 2019.

De acordo com a Cooperativa Veiling, que reúne parte dos empresários do setor de flores em Holambra, o resultado positivo é impulsionado pela adoção de estratégias de vendas online.

clique na imagem e saiba mais

Na associação, uma plataforma permite que o cliente analise e compre as flores pela internet. Além do conforto propiciado, já que o cliente faz a aquisição sem ter de se locomover até o local, a ferramenta fez com que as comercializações ocorram 24 h por dia.

“Está sendo um mês melhor do que o outro desde maio [quando os produtores começaram a vender pela internet]. Ganhamos um novo mercado e acabamos de contratar quatro colaboradores”, comemora o produtor Rogério Frade.

O bom cenário de vendas, porém, não atinge as chamadas flores de corte, que são utilizadas no mercado de eventos. Neste segmento, de acordo com Rogério, o faturamento caiu 35% nos meses de junho e julho de 2020, no comparativo com o mesmo período do ano passado.

Galpão de flores em Holambra — Foto: Reprodução/EPTV

Plantas em casa

Outro fator que influencia no aumento das vendas de flores é o isolamento social necessário para conter a proliferação do novo coronavírus. Ficando em casa, parte das pessoas passou a cultivar os produtos dentro das residências.

Luciano Rios chegou a demitir quatro funcionários em março, quando a crise do novo coronavírus teve início no Brasil. Com o prolongamento do confinamento, porém, os clientes passaram a procurar por flores domésticas, e o empresário decidiu apostar no ramo.

“Investimos em flores que a pessoa tira do pote e pode colocar em uma jardineira. Isso alavancou as vendas e nós conseguimos escoar uma produção que estava parada”, comemora. (Com informações G1 Campinas e Região)