Ministério da Saúde diz que baixa procura por imunização fez vacinas contra a Covid-19 encalharem

PUBLICIDADE

Aproximadamente 30 milhões de doses de imunizantes podem vencer até o mês de agosto, sendo mais de 12 milhões já em julho.

Dados do TCU (Tribunal de Contas da União) mostram que o Brasil tem mais de 28 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 com prazo de validade prestes a vencer, o que significa um prejuízo de R$ 1,23 bilhão aos cofres públicos. Em meio a isso, cerca de 111 milhões de brasileiros estão com alguma dose em atraso. 

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (20), o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, responsabilizou o atraso da população em complementar o esquema vacinal pelo vencimento das doses. 

“O ministério está fazendo todo o trabalho para que nenhuma dose seja perdida. Nesse sentido, estamos convocando a população brasileira a buscar sua dose de reforço. Se a população brasileira — quem está com o esquema primário incompleto, quem é apto para o primeiro reforço e quem está apto para o segundo reforço — procurar o posto de vacinação, certamente nenhuma dose será perdida”, afirmou Medeiros. 

Os números apresentados pela pasta revelam que 22 milhões de brasileiros não receberam a segunda dose da vacina, sendo que o maior déficit é entre indivíduos de 18 a 29 anos. Com relação à primeira dose de reforço, mais de 62 milhões de pessoas estão aptas a receber a injeção, mas ainda não o fizeram. Os mais atrasados também estão na faixa etária de 18 a 29 anos. 

Já para ao segundo reforço, cerca de 27 milhões de pessoas já poderiam ter recebido a imunização. A maior faixa etária em atraso é de pessoas acima de 50 anos. O ministério entende que a adesão ainda está baixa porque faz poucos dias desde a liberação da vacina para esses indivíduos. A oficialização foi no dia 4 de junho

PUBLICIDADE

Ao ser peguntado por jornalistas sobre como informações falsas que associam os imunizantes a outros problemas de saúde e o estímulo à imunidade de rebanho atrapalham a campanha de vacinação do Ministério, o secretário se restringiu a dizer “nosso papel enquanto Ministério da Saúde é garantir que a população brasileira tenha acesso às vacinas. A nossa mensagem é que a população busque cada vez mais os postos para receber a vacina para que consigamos controlar a Covid-19 e possamos quanto mais rápido possível termos a tal normalidade em todos os aspectos”.

Além do anúncio da segunda dose de reforço para as pessoas entre 40 e 49 anos e os reforços para aqueles que começaram o esquema vacinal com o imunizante em dose única da Janssen, o ministério anunciou a campanha de incentivo à população para completar a vacinação contra a Covid-19. 

O secretário-executivo da pasta, Daniel Pereira, informou que o ministério está em contato com os municípios para ajudar no estímulo à vacinação. “O ministério está em conversa com os municípios para saber de que forma a gente pode estimular ainda mais essa vacinação. De repente, ampliando o horário dos postos. Estamos verificando quais os problemas que eles estão enfrentando para que a gente possa dar um tipo de suporte.”

As ações do governo acontecem após o ministro Vital do Rêgo, do TCU, pedir que a pasta adotasse ações para evitar o desperdício de doses e dinheiro. No despacho, Rêgo escreveu: “Num país em desenvolvimento como é o Brasil, em que foram perdidas mais de 668 mil vidas para a Covid-19 até hoje, num momento em que estamos enfrentando uma nova onda de contaminação por esse vírus que vem assolando todo o território nacional indistintamente, termos notícia de que estamos prestes a perder mais de 28 milhões de doses de vacina nos próximos dois meses e meio, num prejuízo de quase R$ 1,23 bilhão, é no mínimo estarrecedor.”

PUBLICIDADE
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP