Mitos e verdades sobre a previdência privada

Esse é um clássico mito que gera confusão entre os trabalhadores.

A previdência privada e suas modalidades – previdência aberta e fechada – ainda é motivo de muitas dúvidas e questionamentos para os brasileiros. Diversas pessoas acreditam que esse não é um investimento viável ou que entender sobre ele é muito difícil e, para que a previdência seja realidade de muitos, conhecer sobre ela é essencial.

Para que esse tema seja ainda mais realidade em sua rotina e planos, listamos alguns mitos e verdades comuns sobre esse tipo de aposentadoria. Confira!

A previdência privada é obrigatória

Esse é um clássico mito que gera confusão entre os trabalhadores. É importante dizer, como seu próprio nome diz, ela é uma opção privada, portanto, só aqueles que quiserem aderir farão parte desse sistema.

Esse tipo de investimento é um sistema desvinculado da Previdência Social obrigatória, o INSS, e funciona como uma previdência complementar.

Mais do que uma poupança, esse é um investimento rentável a longo prazo e seu grande objetivo é ser resgatado após a aposentadoria para que os indivíduos possam ter mais tranquilidade em seus momentos pós trabalho.

Ao ter previdência privada, eu perco a aposentadoria do INSS

Mais um grande mito! A previdência privada é um complemento à aposentadoria do INSS e fazer esse investimento não te faz perder seu direito de trabalhador.

Aqueles que trabalham como CLT têm a obrigação de contribuir para o INSS e essa contribuição gera benefícios como seguro-desemprego, auxílio maternidade, seguro doença e, claro, aposentadoria.

Ao atingir seu tempo de trabalho ou qualquer que seja o requisito para aposentadoria, seu direito está garantido pelo INSS.

Existem diferentes planos de previdência privada

Verdade! As previdências privadas contam com algumas particularidades e diferentes e dois são os planos possíveis: os abertos ou fechados.

As previdências abertas são mantidas por seguradoras e podem ser distribuídas para os interessados por meio de bancos, corretoras de investimentos e corretoras de seguros.

Dentro da previdência aberta existem dois tipos de planos que devem ser escolhidos de acordo com os objetivos e perfil do investidor: o PGBL e VGBL. O PGBL, Plano Gerador de Benefício Livre é o mais indicado para quem faz a declaração completa do imposto de renda e com ele é permitido abater do cálculo do IR total todos os aportes realizados com previdência, limitado a 12% da renda bruta tributável do investidor.

No momento do resgate, o Imposto de Renda incide sobre o valor total do resgate e não apenas sobre o rendimento. Já o VGBL, o Vida Gerador de Benefício Livre é indicado para aqueles que não fazem a declaração completa do imposto de renda, afinal, ela não permite o abatimento dos investimentos realizados.

Já no momento do resgate, o imposto é descontado apenas sobre o valor dos rendimentos, ou seja, o montante que foi depositado pelo investidor não é taxado.

Quanto aos planos fechados, eles são criados especificamente para funcionários de uma empresa e categoria e não são disponibilizados para todos os investidores. Portanto, ele só pode ser aderido caso você faça parte de algum grupo previamente selecionado por essas entidades.

O resgate só pode ser feito no final do investimento

Esse é um dos grandes mitos da previdência privada. O valor total e parcial pode ser solicitado a qualquer momento e algumas são opções referentes ao resgate do benefício:

  • Resgate total: nesse plano é feita a retirada do valor total acumulado durante o período de investimento.
  • Renda mensal temporária: o benefício é pago mensalmente ao investidor até data determinada em contrato.
  • Renda mensal vitalícia: são feitos pagamentos mensais até o falecimento do investidor.
  • Renda mensal vitalício transferível: os pagamentos nesse plano são feitos ao investidor até a sua morte. Após isso, o beneficiário determinado em contrato passa a receber esse pagamento, como filhos ou esposa.

 

É importante, porém, ter atenção pois a taxa de imposto é cobrada no momento do resgate, de acordo com o regime de tributação acordado inicialmente. Sendo assim, vale a pena pensar em qual taxa fará mais sentido para você.

Os planos de previdência são caros e indicadores apenas para aqueles que têm alta renda

Esse é um dos maiores mitos relacionados à previdência. Esse investimento cabe em todos os bolsos e conta com diversos períodos de acumulação e tudo depende do objetivo daquele que se insere nessa modalidade.

Mais do que isso, a contribuição mensal pode ser feita de acordo com suas possibilidades e a cada momento da vida financeira é possível fazer mudanças que caibam no seu bolso.

A previdência privada, assim como qualquer investimento, possui vantagens e desvantagens para cada perfil e conhecer mais sobre ela é essencial para entender se ela tem a ver com o seu momento e se é uma boa opção para o seu futuro.

Agora que você sabe um pouco mais sobre ela funciona e quais são seus mitos e verdades, reflita sobre seus gastos e planejamentos e entenda se esse investimento se encaixa em seus planos!

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT