Municípios brasileiros discutem proibição de canudos plásticos

Anúncio
Clique na imagem. Link direto para Whatsapp

Especialista da Universidade de São Paulo explica os impactos da substituição de descartáveis no ambiente natural.



Diversas cidades brasileiras debatem a permissão ou proibição do fornecimento de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais, com o objetivo de diminuir o impacto dos produtos sobre o meio ambiente.

Em São Paulo, segue em discussão, na Câmara Municipal, a iniciativa que proíbe a distribuição dos itens.

O Projeto de Lei 99/2018, analisado em primeira votação, deve seguir para segunda votação neste mês. Caso aprovado, ainda deverá passar pela sanção ou veto do prefeito da capital, Bruno Covas.

Vale destacar que o texto acompanha um movimento observado em outros municípios, como no Rio de Janeiro, primeira capital brasileira a proibir o fornecimento de canudos plásticos.

Impactos

Para entender os efeitos do projeto, o professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE), explicou os desdobramentos da aprovação do texto.

“A substituição de descartáveis plásticos por similares biodegradáveis é fundamental, mas sempre deve ser acompanhada por campanhas educacionais, a fim de orientar a população sobre a importância dessas medidas”, comenta.

De acordo com o docente, a medida possui um caráter apenas simbólico, maior que o efetivo, sendo necessária a implementação de outras ações para que a gestão de resíduos tenha melhorias.

“As sacolas plásticas possuem um impacto ambiental superior ao dos canudos e ambos poderiam ser substituídos por semelhantes produzidos a partir do papel, reduzindo o dano ambiental. No entanto, sem o trabalho educacional adequado, medidas como essas podem gerar desentendimento entre população e poder público”, acrescenta.

“São Paulo está seguindo uma tendência adotada em outros lugares e agora isso também tramita aqui. Seria interessante que a lei fosse aprovada, mas levando a uma substituição maior dos descartáveis, como copos, sacolas, por seus similares de papel.

Sabemos que o plástico demora muito tempo para se degradar e de todos os transtornos que isso acarreta. Apesar do meu apoio, o problema do lixo em São Paulo é muito maior do que pretende atacar essa lei”, salienta.