“Não posso falar para poupar a qualquer custo meus pulmões”, diz advogado dias antes de morrer por Covid-19

No vídeo feito no hospital — e publicado no perfil dele nas redes sociais —, homem pede, emocionado, para que as pessoas se cuidem.

O advogado João Faustino Neto, de 43 anos, que morreu nesse domingo (7) de Covid-19 em Pedra Preta, relatou no dia 22 de janeiro, que estava com medo da doença.

No vídeo (assista abaixo) feito no hospital — e publicado no perfil dele nas redes sociais —, homem pede, emocionado, para que as pessoas se cuidem. “Minha saturação de oxigênio ainda está boa. Espero assim continuar para não ser intubado, mas vou dizer uma coisa para vocês, eu realmente estou no maior cagaço (medo)”, relatou.

João disse ainda que sempre se cuidou para que não fosse infectado. “Ando com álcool em gel no bolso, trato todos à distância. Uso álcool em todas as ocasiões, mas ainda sim alguma coisa que fiz me contaminou. […] Tem muita gente morrendo. Essa é uma doença ingrata. Jovens morrem e pessoas idosas conseguem sobreviver, então não dá para ter um parâmetro”, disse.

clique na imagem e saiba mais

Na publicação, emocionado, o advogado pede para que as pessoas se cuidem e exijam que outras pessoas ao redor também cumpram as regras de prevenção à doença. “Muitas pessoas que são vetores e transmitem não acontece nada com elas, mas tem um parente ou alguma pessoa que nem conhece que chega aqui onde estou, e é muito triste. Por favor, se cuidem. Se em 30 dias todos se cuidassem, a quantidade de infectados diminuiria drasticamente e evitaria perdas de quem a gente ama”, declarou.

No final do vídeo, João afirmou que estava pensativo e que estava torcendo para que outras pessoas não precisassem ser internadas. “Torço para que ninguém chegue no estado em que estou, porque estou bem, minha saturação está boa, mas ficamos pensativos, porque amanhã pode ser que não esteja assim. A gente tem obrigações, família para cuidar, então não tem como não ficar preocupado”, relatou.

No dia 26, o advogado fez outra publicação, mas, dessa vez, escrita. “Não posso falar para poupar a qualquer custo meus pulmões. O fato de tirar a máscara por 1 minuto já torna minha vida mais difícil. Conto com as orações de vocês”, diz.

Dias após essa publicação, João Faustino foi intubado, mas não resistiu às complicações causadas pelo vírus e morreu neste semana. Em nota, a diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e da 1ª Subseção de Rondonópolis, em nome da advocacia mato-grossense, lamentaram o falecimento do advogado.

ÁGIL DPVAT