“Ore Pela Sua Polícia”: Comando Geral da PM aprova projeto de pesquisa do capitão Anversa sobre campanha de oração dos PMs de Cristo

O estudo, que será desenvolvido em 2021, fará uma avaliação de impacto e apresentará uma proposta de normatização das áreas do CPA/M-8 e CPI-9.

O Comando Geral da Polícia Militar aprovou o projeto de pesquisa do líder PM de Cristo na região de Araras (SP), Capitão Ricardo Henrique Teixeira Anversa, que traz como tema a campanha “Ore Pela Sua Polícia” como instrumento facilitador de Polícia Comunitária e de Comunicação Social.

O estudo, que será desenvolvido em 2021, fará uma avaliação de impacto e apresentará uma proposta de normatização das áreas do CPA/M-8 e CPI-9. A pesquisa avaliará de modo mais abrangente o impacto da oração na vida e bem-estar do policial, bem como a campanha Ore Pela Sua Polícia como um instrumento de aproximação da comunidade com a polícia e de divulgação de assuntos de interesse da Corporação e da sociedade.

clique na imagem e saiba mais

NOSSA HISTÓRIA

A Associação dos Policiais Militares Evangélicos do Estado de São Paulo – PMs de Cristo – nasceu na Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB), no bairro da Água Fria, Zona Norte de São Paulo. Ali, durante anos, cadetes da PM sentindo a necessidade de compartilhar suas dificuldades e experiências pessoais com Deus, começaram a se reunir semanalmente, para cultuá-Lo e meditar em Sua Palavra.

Essa iniciativa foi se tornando mais consistente a cada dia, até que, em 1992, inspirados na história bíblica de Neemias (homem que mobilizou as famílias de Israel para a reconstrução dos muros de Jerusalém), 74 policiais militares, oriundos de várias denominações, se uniram para oficialmente fundar a “Associação dos Policiais Militares Evangélicos do Estado de São Paulo”, conhecida como PMs de Cristo.

A Associação é formada por policiais militares de diversas denominações que, em parceria com a comunidade evangélica, colaboradores e voluntários, de forma abnegada, pela fé, atuam em favor da valorização da figura humana do PM.

Os PMs de Cristo atuam em todo o Estado de São Paulo por meio de Núcleos nas unidades policiais, onde capelães voluntários, militares ou civis, realizam em conjunto com líderes PMs locais as reuniões semanais “Momento com Deus”, com reflexões bíblicas e orações, visando o fortalecimento da fé e a melhoria do ambiente de trabalho e da qualidade de vida.

Também promovem eventos, como cultos e ações de graças, vigílias, campanhas de oração, encontros temáticos, dentre outras ações, em parceria com as igrejas e lideranças evangélicas. Principais braços da Associação, os capelães dos PMs de Cristo dedicam-se a prestar apoio aos policiais necessitados e com problemas pessoais. Fazem aconselhamentos, visitas, celebram casamentos, ofícios fúnebres, dentre outras atividades.

Pioneiros e de caráter singular, os PMs de Cristo conquistaram o respeito e o reconhecimento do Comando da Polícia Militar, bem como das mais expressivas lideranças religiosas e seculares, pelos significativos serviços prestados à sociedade.
Ao longo de sua história, os PMs de Cristo conduziram vários projetos e ações para alcançar, cada vez mais, a família policial-militar de São Paulo.

Em 2015, a Associação deu um importante passo neste sentido ao implantar o Projeto Polícia e Igreja, que tem aproximado a comunidade evangélica da Polícia, tendo como base os preceitos de Polícia Comunitária. Por meio deste projeto, os PMs de Cristo alcançaram todas as 22 regiões da PM em SP, divididas em comandos regionais do interior, Grande São Paulo e capital. São mais de 500 igrejas de diversas denominações que participam do projeto, de forma voluntária.

Na prática, os PMs de Cristo promovem encontros de comandantes da Polícia Militar com lideranças evangélicas locais dispostas a somar forças à Missão dos PMs de Cristo, como voluntários em ações de capelania, mediação de conflitos e apoio a prevenção primária do crime.

Pastores e demais colaboradores são treinados pela Associação para prestar assistência espiritual e emocional e a mobilizar suas igrejas para interagir de forma produtiva com a Polícia Militar, visando o bem comum e a melhoria da qualidade de vida.