Palmeirenses pegam 24 anos de prisão por matar corintiano com barras de ferro em 2016

4 membros da Mancha Alviverde foram considerados culpados por assassinato de integrante da Gaviões da Fiel na Grande SP.

Quatro palmeirenses foram condenados, cada um deles, a pena de 24 anos de prisão em regime fechado por espancarem e matarem um corintiano com golpes de barras de ferro na cabeça, em 17 de setembro de 2016 em Itapevi, na Grande São Paulo. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça (TJ). O caso teve repercussão na imprensa à época por envolver brigas de torcidas rivais de clubes de futebol.

Em julgamento realizado nesta quarta-feira (26) no Fórum de Itapevi, Daniel Cândido da SilvaJose Alex Sandro da Silva JúniorJefferson Paulo da Silva e Wesley Ramos Dantas Lopes foram considerados culpados pela maioria dos jurados pelo assassinato de Daniel Jones Veloso, o ‘Dan Veloso’. Eles acabaram condenados por homicídio qualificado por motivo torpe e emboscada.

A vítima tinha 22 anos e era membro da Gaviões da Fiel, maior torcida organizada do Corinthians, clube de futebol da capital paulista. Os réus eram integrantes da Mancha Alviverde, principal torcida do Palmeiras, outro time da cidade de São Paulo.

Kaio Robério Gomes Barbosa, outro palmeirense acusado pelo mesmo crime, não foi julgado com os demais réus porque sua defesa não pode comparecer ao júri popular realizado na quarta em Itapevi. Diante disso, o juiz Udo Wolff Dick Appolo do Amaral desmembrou o processo em relação a Kaio e deverá marcar uma nova data para o seu julgamento em separado.

Todos os cinco réus já respondiam presos pelo assassinato do corintiano. Daniel Silva, Jose Júnior, Jefferson Silva e Wesley Lopes permanecerão detidos para o cumprimento do restante da pena pela qual foram condenados. Kaio Barbosa também aguardará preso o seu julgamento.

De acordo com o Ministério Público (MP), Daniel Veloso foi vítima de uma emboscada durante briga de torcidas rivais. O corintiano foi atacado por um grupo de palmeirenses após voltar com a namorada de uma partida que tinham ido assistir entre o Corinthians e o Palmeiras, na Arena Corinthians, em Itaquera, Zona Leste da capital.

Segundo a denúncia do MP, quando chegou em Itapevi, o casal foi cercado por palmeirenses armados com barras de ferro que haviam descido de um carro na Rua Angelo Piazzi.

Daniel Veloso falou para a namorada correr. Ele não conseguiu escapar e foi agredido com diversos golpes na cabeça. Os agressores fugiram no veículo. A vítima ainda foi socorrida com vida. Ela acabou levada ao Hospital Geral de Itapevi, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

O promotor Rafael Morais de Oliveira, responsável pela acusação contra os réus, também não foi encontrado. Cabem recursos na Justiça contra a decisão que condenou os palmeirenses. Seis testemunhas do caso foram ouvidas nesta quarta pela Justiça.

Acusação

O assassinato de Daniel Veloso comoveu os integrantes da Gaviões, que homenagearam a vítima em seu enterro. O caso gerou comoção e protesto nas redes sociais.

De acordo com a denúncia feita pelo MP à Justiça, “o crime foi cometido por motivo fútil, consistente da rivalidade entre membros de torcidas adversárias”.

Ainda segundo a acusação da Promotoria, “os denunciados utilizaram-se de meio cruel, uma vez que a vítima foi golpeada diversas vezes na cabeça, suportando ferimentos que provocaram a exposição de fragmentos ósseos”.

“O crime foi cometido mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, consistente na surpresa e ainda, diante da superioridade numérica de forças e agentes”, informou o Ministério Público.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP