Passada a greve, preço do diesel despenca, mas o da gasolina e o do álcool disparam

851

Melhor para os caminhoneiros, ruim para os motociclistas e pra quem dirige carros de passeio.

Na última semana, o valor médio, nos postos de todo o País pesquisados pela Agência Nacional do Petróleo, foi de três e 48 o litro.

Trinta centavos a menos que o preço na semana de 21 de maio, data usada como base para a aplicação do desconto anunciado pelo Governo.

Melhor para os caminhoneiros, ruim para os motociclistas e pra quem dirige carros de passeio. Isso porque a gasolina está bem mais cara.

De 13 de maio a dois de junho, o preço médio simplesmente disparou de quatro e 28 o litro para quatro e 61.

E mesmo depois do fim da paralisação e da retomada do abastecimento, a gasolina foi vendida a quatro e 60, na última semana.

Por fim, o dono de carro flex que dá preferência para o etanol também encara uma situação complicada.

Com o avanço da safra de cana, a tendência era de preços menores. Mas o litro do álcool custava dois reais e 78 centavos, no começo de maio.

Passou pra dois e 81, dois e 95 e está, agora em dois e 98, na média nacional.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Conforme a Lei 9.610/98, é proibida a reprodução total e parcial deste texto sem a autorização prévia e expressa do autor (artigo 29). ® Todos os direitos reservados ao site REPÓRTER BETO RIBEIRO

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.