Pe. Júlio Lancellotti e artistas lançam iniciativa para ajudar população de rua

Campanha ‘Olho da Rua’ visa arrecadar doações para alimentação e amparo à população em situação de rua de São Paulo. Iniciativa conta com um curta-metragem e o apoio da Orquestra de Câmara da USP (OCAM), do Coral Paulistano Mário de Andrade, de poetas de Slam e MCs.

O Padre Júlio Lancellotti ganhou novos apoios para a sua atuação em prol da população em situação de rua durante a pandemia, na cidade de São Paulo (SP). Juntam-se a ele a Orquestra de Câmara da USP (OCAM), poetas de Slam, MCs, o Coral Paulistano Mário de Andrade e performers para divulgar o curta-metragem beneficente e a campanha ‘Olho da Rua’.

A produção tem como objetivo arrecadar doações para alimentação e amparo da população em situação de rua e foi disponibilizada no canal do YouTube da OCAM. O curta-metragem foi dirigido e produzido pela TILT REC e BICHO e coproduzido pela Porqueeu Filmes.

O filme tem como trilha três obras do CD ‘Sons sobre Tons’, lançado pela OCAM em 2019: ‘Fibers, Yarn and Wire‘, do consagrado compositor brasileiro Alexandre Lunsqui; ‘A menina que virou chuva’, obra de Valéria Bonafé em homenagem à sua sobrinha Heloísa; e também ‘A escuridão, o corpo vermelho e o fascínio’, de Yugo Sano Mani, premiada no concurso de composição musical Tomie Ohtake.

O curta é finalizado com a participação do Coral Paulistano Mário de Andrade, dirigido por Maíra Ferreira, executando o ‘Dies Irae‘ (Dia da Ira), do Requiem em Ré Menor, KV 626, de W.A.Mozart. Essa peça foi gravada especialmente para esse vídeo com os músicos e cantores captando suas participações com celulares. 

Todas as músicas conversam com as performances do rapper Kamau, MC Lucas Afonso e das slammers Luz Ribeiro e Mel Duarte, que declamam poesias em defesa do direito à alimentação e denunciam as condições em que se encontra a população em situação de rua.

Os relatos do padre Júlio Lancellotti – que contam sua vivência e convivência com estas pessoas – e a performance, dirigida pelo coreógrafo Fernando Barcellos, completam o vídeo.  

Na produção, o Padre Júlio conta que viver na rua é uma grande violência e fala sobre a falta de olhar humanizado para com a população de rua, afirmando que “a misericórdia, a compaixão e a solidariedade não são dimensões religiosas, mas sim dimensões humanas. Eu me sinto um fracassado, porque se eu não for fracassado é porque eu aderi a esse sistema”, diz ele ao longo do curta, parafraseando o antropólogo Darcy Ribeiro.

A campanha, que leva o nome da produção, segue aberta, sendo que os valores são encaminhados diretamente para a Paróquia São Miguel Arcanjo, coordenada pelo Pe. Júlio Lancellotti.

Veja o curta-metragem abaixo:

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT