Pedra preciosa avaliada em R$ 3 milhões é apreendida durante operação feita pela Polícia Civil de Santa Cruz da Conceição, SP

A operação contou com apoio do Delegado Seccional de Polícia, Dr. Antônio Luís Tuckumantel, que enviou duas equipes do GARRA da Delegacia Seccional de Polícia de Limeira para a execução das diligência referentes aos cumprimentos de mandado de busca e apreensão.

No início da manhã de terça-feira (25/05/2021), a Polícia Civil do Estado de São Paulo deflagrou a operação denominada DIVISA, no município de Santa Cruz da Conceição (SP), com coordenação do delegado Leonardo da Costa Ferreira e do agente policial Rogério Nascimento Santos.

Foram cumpridos quatro mandados de buscas e apreensões domiciliares expedidos pela MM. Juíza de Direito da Comarca de Leme (SP), os quais foram representados pelo Dr. Leonardo, em virtude de investigações em curso no município de Santa Cruz da Conceição, para apuração de crimes de furto, posse irregular de arma de fogo, receptação, adulteração de sinais identificadores de veículos, falsificação de cheques e condutas afins, estelionato, crime ambiental, entre outros.

DAS INVESTIGAÇÕES DE CUMPRIMENTO DE MANDADOS DE BUSCA

Falsificação de cheques e estelionato

Há algum tempo, chegou ao conhecimento do policial civil Rogério, que duas pessoas estariam passando cheques, possivelmente falsificados, de titularidade de uma conceituada empresa de Santa Cruz da Conceição.

Procedidas investigações preliminares apurou-se que os cheques em questão realmente poderiam ser falsos, pois alguns deles foram apreendidos, pois já haviam sido passado a terceiros e outros haviam fotografias, eis que tentaram passar tais cheques. E em contato com o representante da empresa de Santa Cruz, confirmou-se a suspeita, eis que comparando as folhas de cheques apreendidas e as fotografias de outras cártulas, observou-se que tais documentos já haviam sido emitidos pelo titular, com valores diferentes dos falsificados.

O policial civil Rogério apresentou relatório de investigação ao delegado de polícia Dr. Leonardo, o qual por sua vez representou pela expedição de mandado de busca e apreensão domiciliar, que foi concedida pela MM. Juíza de Direito da comarca de Leme. Um dos suspeitos possui três endereços no município de Pirassununga (SP) e o outro é residente no município de Leme.

Realizadas as buscas foram apreendidos telefones celulares, 5 folhas de cheques de titularidades diversas, preenchidos um no valor de R$7.500,00, dois cheques no valor de R$125.000,00 cada, outro no valor de R$250.000,00 e o último no valor de R$200.000,00, bem como a quantia de R$400,00 em espécie.

Na residência do investigado residente em Leme, também foi encontrada uma porção de maconha, sendo lavrado em seu desfavor termo circunstanciado de ocorrência sobre porte de drogas. Os investigados prestaram esclarecimentos sobre os fatos.

Posse irregular de arma de fogo.

Denunciante anônimo procurou pelo policial civil Rogério Nascimento Santos, na delegacia de polícia de Santa Cruz da Conceição, tendo relatado que determinada pessoa estaria na posse de várias armas de fogo, sendo que tal pessoa estaria comercializando armamento de forma ilegal. Foram apresentadas diversas fotografias de armas e munições, as quais o denunciante afirmou que foram lhe enviadas pelo próprio suspeito, sendo que algumas delas foram tiradas quando o denunciante estava presente.

O policial civil Rogério iniciou as investigações, tendo identificado o suspeito e sua residência, bem como obtido informações de que ele realmente estaria comercializando armas de fogo de forma ilegal. Rogério apresentou relatório de investigação ao delegado de polícia Dr. Leonardo Costa Ferreira, o qual então representou ao poder judiciário pela expedição de mandado de busca e apreensão domiciliar para a residência do suspeito.

Realizada a busca, os policiais não lograram êxito em localizar armas de fogo e munições no local, contudo o aparelho de telefone celular do suspeito foi apreendido, para que, com autorização judicial, seja vasculhado, a fim de identificar alguma prova de que ele realmente estaria na mercancia de armas de fogo.

Receptação, adulteração de sinal identificador de veículo, posse irregular de arma de fogo e crime ambiental.

Há tempos o policial civil Rogério vem recebendo inúmeras denúncias, dando conta de que no bairro rural Souza Queiroz, em Santa Cruz da Conceição/SP, três indivíduos residentes no local estariam desmanchando veículo, provavelmente de forma ilícita em suas propriedades. Inúmeras diligências, terrestres e aéreas (com utilização de drone) foram realizadas, sendo possível identificar os suspeitos e suas propriedades, tratando-se de duas unidades rurais vizinhas.

As denúncias também davam conta de que um dos suspeitos estaria na posse de armas de fogo e munições, sendo que ele estaria alugando armamento para indivíduos praticarem crimes na região. Foi apurado que no local havia concentração de vários veículos em situação de desmanche, bem como de peças de veículos espalhadas pelo local. Também apurou-se que no local havia tanques de água artificial, o que poderia configurar eventual crime ambiental.

O policial civil Rogério apresentou relatório de investigação ao delegado de polícia Dr. Leonardo, o qual representou ao poder judiciário pela expedição de mandado de busca e apreensão domiciliar para as duas propriedades rurais onde residem os três suspeitos. Com apoio de uma equipe da Polícia Militar Ambienta, foram procedidas as buscas pelo local, não foi possível apurar no momento que os veículos e peças eram de origem ilícita, pois não havia elementos que comprovasse tal ilicitude. Também não foram localizadas armas de fogo e munições.

Contudo, no local foram localizados pássaros em cativeiro, de forma irregular, sendo então apreendidos pela polícia militar ambiental dois pássaros da espécie “Bigodinho”, um papagaio verdadeiro e uma maritaca. Com relação aos tanques existentes no local, o policiamento ambiental irá oficiar a CETESB, órgão competente para o assunto, a fim de averiguar a licitude de tais tanques.

Furto de telefone celular

No dia 16/04/2021 uma vítima, moradora na zona rural de Santa Cruz da Conceição, compareceu na delegacia de polícia do município, tendo registrado boletim de ocorrência com o policial civil Rogério, noticiando o furto de seu telefone celular i-phone.

Informou que na data e horário do furto de seu aparelho, um indivíduo esteve em sua propriedade rural, sendo que as câmeras de segurança demonstraram que ele aproximou-se do local onde estava o aparelho e logo saiu, tendo também desaparecido seu celular.

Na mesma data do furto, a noite, a vítima recebeu uma notificação lhe informado que seu aparelho havia sido acessado, sendo informado a numeração de IP do acesso. Imediatamente, o policial Rogério iniciou as investigações, sendo apurado que tal IP provinha do provedor de internet do município de Leme.

A empresa de provedor de internet foi oficiada, tendo então enviado a informação de que aquele IP havia sido utilizado de uma residência no município de Leme. Após ser identificado o cliente da empresa de provedor de internet, apurou-se que ele é irmão do indivíduo que esteve na propriedade rural da vítima na data do crime, o qual também reside no mesmo endereço do irmão. Foi apresentado relatório de investigação ao Dr. Leonardo, o qual representou ao poder judiciário pela expedição de mandado de busca e apreensão para a residência do suspeito.

Na tarde do dia 25/05/2021, o delegado de polícia Dr. Leonardo, acompanhado do policial Rogério, com apoio da policial civil Letícia Leonor Ribeiro Mendes, da delegacia de polícia de Leme/SP deram cumprimento ao mandado de busca e apreensão, sendo que o investigado não estava presente no local.

Em buscas pelo imóvel, não foi localizado o aparelho celular subtraído, contudo, na posse do irmão do suspeito foram localizadas 20 gramas de maconha, sendo então ele conduzido a delegacia de polícia de Santa Cruz da Conceição, onde foi elaborado termo circunstanciado de ocorrência por porte de drogas, sendo ele liberado após firmar termo de compromisso. O irmão do suspeito declarou que avistou um telefone i-phone em poder do irmão, contudo alegou não ter conhecimento da origem de tal aparelho.

Resultado da operação

Apesar das diligências realizadas não ensejarem prisões em flagrante, foi um sucesso, pois em todos os locais que a polícia esteve, foi possível colher provas que darão base para a apuração das investigações em curso, para a cabal elucidação dos fatos, com identificação de autoria e também a comprovação de inocência dos investigados, caso apurado que eles não tiveram participações nos crimes investigados, sempre buscando como resultado, que a justiça seja feita.

Participantes da operação

O delegado de polícia Leonardo Da Costa Ferreira, policial civil Rogério “Rogerinho” Nascimento Santos, da Central de Polícia Civil Judiciária de Santa Cruz da Conceição, foram os responsáveis pelas investigações e coordenação / execução da operação DIVISA.

A operação contou com apoio do Delegado Seccional de Polícia, Dr. Antônio Luís Tuckumantel, que enviou duas equipes do GARRA da Delegacia Seccional de Polícia de Limeira para a execução das diligência referentes aos cumprimentos de mandado de busca e apreensão.

Também prestaram apoio execução da operação a Polícia Militar Ambiental do 1º Pelotão com sede em Pirassununga dos policiais civis Fernanda Salciotto e Letícia Leonor Ribeiro Mendes. O escrivão de polícia André Luís da Silva, da Central de Polícia Judiciária de Pirassununga, também prestou apoio na coordenação preparativa da operação.

Pedra no valor de R$ 3 milhões

Adendo de RDO confeccionado para constar que após a operação denominada “DIVISA”, foi encaminhada para o Instituto de Criminalística de Limeira (SP) com a solicitação para exame de 01 pedra de coloração transparente visando a analise responder os quesitos, informar se trata-se de pedras preciosas e constatar o tipo de material, conforme segue abaixo, Já que fora apreendido um caixa de acrílico fechada com esparadrapo, com as inscrições: 2,5 K “CHAMIANITE”.

Foi respondido pela setor competente que após encaminhada para análise para a SUPERITENDENCIA DA POLICIA- CIENTIFICA – INSTITUTO DE CRIMINALISTICA – CENTRO DE EXAMES ANÁLISES E PESQUISAS-CEAP – NÚCLEO DE FISICA de acordo com Schumann[ 1], os valores obtidos para as propriedades acima apresentadas são compatíveis com Diamante.

O diamante possui uma densidade relativa de 3,52, índice de refração entre 2,417 e 2,419 (portanto, fora da faixa de resolução do aparelho usado neste núcleo), fluorescência variável para luz ultravioleta (podendo haver) e dureza 10 na escala de Molz. Além destas características, há compatibilidade com a literatura nos quesitos cor (geralmente incolor, amarela ou castanha), transparência (transparente) e sistema cristalino (cúbico).

A pedra aqui examinada apresenta cor amarelada, transparente e sua forma física sugere tratar-se de uma estrutura cubica. PORTANTO, TRATA-SE DE PEDRA COMPATIVÉL COM DIAMANTE.

Após o recebimento do laudo do IC pela autoridade policial, foram tomadas todas as providências cabíveis quanto a escolta do objeto pela autoridade policial Dr. Leonardo da Costa Ferreira e o Agente Policial Rogério Nascimento dos Santos e quanto ao depósito Judicial do objeto em uma das Agências bancárias da Região.

Pois a equipe de perícia informou que, por meio de pesquisas extraoficiais, acredita-se que o valor estimado da pedra totaliza o importe de R$3.000.000,00 (três milhões de reais), (Valor não confirmado). Desta feita, comunicou-se tal fato à Delegacia Seccional de Limeira e solicitou-se providências sobre a custódia mais segura junto ao Poder Judiciário local.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT