Pelo segundo ano consecutivo, consumo de biscoitos e pães registra alta no Brasil

Brasileiros optaram por alimentos acessíveis e práticos durante pandemia de Covid-19.

Durante a pandemia de Covid-19, o consumo de biscoitos e pães teve alta no Brasil, quando comparado com momentos anteriores à crise sanitária. A demanda pelos produtos no país aumentou mais de 4% em 2021, frente ao ano de 2019.

Na prática, no ano passado, o volume comercializado da mercadoria teve um acréscimo de aproximadamente 24 mil toneladas. Em 2020, o consumo de biscoitos e pães também teve alta no país: acréscimo de 23 mil toneladas, comparado com o ano anterior.

Os dados são da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) e foram divulgados na quarta-feira (13).

De acordo com o levantamento, o faturamento do setor cresce desde o início da pandemia. Em 2021, os produtores tiveram um lucro de 50,4 bilhões, valor 13% acima do registrado em 2020 (R$ 44,6 bilhões).

Segundo o estudo, o aumento na demanda está relacionado à preferência das pessoas por alimentos mais acessíveis, com maior praticidade e tempo de validade para o consumo dentro do lar durante a pandemia.

O levantamento também cita as dificuldades econômicas enfrentadas pelos brasileiros, como a inflação, a variação cambial e o desemprego no país. Dessa forma, por serem alimentos mais baratos, as pessoas passaram a consumir mais os produtos ao longo dos últimos dois anos.

“A indústria enfrentou desafios, foi um ano de constante aumento do dólar e instabilidade política, o que resultou em um cenário de alta na inflação e crise econômica em 2021. Esses fatores que influenciaram diretamente no consumo dos brasileiros”, contextualiza Claudio Zanão, presidente-executivo da Abimapi.

Em anuência ao levantamento realizado pela Abimapi, os supermercados brasileiros também registram alta procura por biscoitos e pães desde o início da pandemia.

Em janeiro de 2022, por exemplo, os estabelecimentos perceberam uma alta de 2% no consumo de biscoitos, em comparação ao mesmo mês de 2020, antes da pandemia.

No mesmo período, a demanda por pão de forma cresceu 3,48%. Os dados são da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Maior demanda por massas

O setor de massas também apresentou alta procura entre os brasileiros durante a pandemia. O segmento registrou, em 2021, um faturamento 11,5% maior, frente a momentos anteriores à crise sanitária, segundo a Abimapi. Quase 140 mil toneladas do produto foram vendidas em 2021.

“O hábito de cozinhar em casa passou a ser uma atividade mais frequente e as massas seguem conquistando os lares nas principais refeições pela praticidade e conveniência. O macarrão vira opção com bom custo-benefício em meio a alta das commodities”, diz Zanão.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP