Petrobras anuncia que preços da gasolina poderão ficar até 15 dias sem reajuste

Estatal vai adotar mecanismo de proteção (hedge) para dar flexibilidade a sua política de preços do combustível, que vinha tendo reajustes diários desde o ano passado.

A Petrobras informou que vai adotar a partir desta quinta-feira (6) um mecanismo de proteção financeira (conhecido como hedge) que permitirá aumentar os intervalos de reajustes nos preços da gasolina nas refinarias em até 15 dias. O objetivo é dar mais flexibilidade a sua política de preços.

A estatal vinha adotando, desde 3 de julho do ano passado, reajustes quase diários no valor do combustível, com base sobretudo no mercado internacional e no câmbio. Há dois dias, a gasolina atingiu novo preço recorde nas refinarias.

Segundo a petroleira, esse mecanismo de hedge dará a opção de mudar a frequência dos reajustes diários no mercado interno, “podendo até mantê-lo estável por curtos períodos de tempo, de até 15 dias”.

clique na imagem e saiba mais

“Isso não altera a nossa política de preços com relação a sempre buscar a paridade de preços”, afirmou Rafael Grisolia, diretor financeiro da companhia.

Hedge será opcional

Segundo a estatal, o mecanismo de hedge será opcional, aplicado por até 15 dias, e permitirá à empresa obter um resultado financeiro equivalente ao da prática de reajustes diários. O hegde será feito com base no mercado futuro de gasolina e petróleo.

A petroleira recorrerá ao hedge em momentos de alta volatilidade nos preços. “Tem questões nos combustíveis que são estruturais, que você tem uma tendência, e tem outras, como a questão dos furacões [nos EUA], que aumentam a volatilidade”.

Ao final [dos 15 dias], o resultado “vai ser idêntico” ao que seria caso mantido o reajuste diário, enfatizou Grisolia. “A gente não consegue visualizar hoje fazer isso [hedge] por mais que 15 dias com a gasolina”.

A Petrobras informou também que continua em vigor a paridade internacional (PPI), margens para remuneração dos riscos inerentes à operação e nível de participação no mercado, assim como a correlação com as variações do preço da gasolina no mercado internacional e a taxa de câmbio.

Sobre uma possível revisão da política de preços da companhia, o diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino, afirmou que não, mas que a medida a aperfeiçoa.

“Aprendemos, estudamos e vimos que o uso dessa ferramenta de hedge traz os elementos que vão dar uma posição de competitividade para a companhia”, disse. “São sofisticações, ferramentas que vão ajudar a Petrobras a se tornar cada vez mais competitivas”, acrescentou.

Questionado sobre o motivo de tal medida ter sido tomada agora, se teria relação com o cenário eleitoral ou com o aumento crescente do preço de combustível, Celestino disse tratar-se somente de uma “sofisticação” da política de precificação da companhia.

Preços bateram recorde esta semana

A estatal manteve nesta quinta-feira (6) o preço da gasolina nas refinarias em R$ 2,2069, novo valor recorde alcançado há dois dias. A decisão de repassar o aumento do valor da combustível cobrado pela Petrobras para o consumidor final é dos postos de combustível.

No acumulado em 1 mês, a alta nos preços chegou a 13,38%.

Preço nos postos

O preço médio da gasolina nos postos de combustível terminou a semana passada a R$ 4,446, segundo pesaquisa da Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o que representa um aumento de 0,38% na comparação com os sete dias anteriores. Foi a primeira alta depois de cinco quedas seguidas.

No ano, o preço médio da gasolina já acumula alta de 8,5% – bem acima da inflação de 4,17% esperada para 2018.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.