Polícia Civil analisa vídeos para identificar quem baleou torcedores em SP

Além de um corintiano que foi morto, outro torcedor do Corinthians foi baleado e ficou gravemente ferido após briga com torcedores do Palmeiras, no sábado (30), numa avenida no Sacomã, Zona Sul de São Paulo. 

A Polícia Civil analisa vídeos da briga entre palmeirenses e corintianos que circulam nas redes sociais para tentar identificar quem atirou no peito de dois torcedores, na tarde de sábado (30) no Sacomã, na Zona Sul de São Paulo. Um corintiano de 29 anos foi baleado e morreu.

Outro torcedor do Corinthians, de 22 anos, foi atingido pelo disparo e até a última atualização desta reportagem estava internado em estado grave num hospital. As informações são de policiais que participam da investigação.

Vinte e um palmeirenses e um corintiano foram presos pela corporação por suspeita de envolvimento na briga. Também foram apreendidos 26 barras de ferro, 11 pedaços de madeira e três rojões. Os torcedores detidos pela Polícia Militar (PM) foram levados para uma delegacia, onde disseram que o confronto não havia sido marcado e ocorreu por acaso.

clique na imagem e saiba mais

“Vai se desenvolver um trabalho de investigação. E com certeza se chegaremos aos responsáveis”, disse ainda no sábado o delegado Eduardo Brotero, do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope). “E pediremos a prisão de todos na Justiça”.

A reportagem procurou a Secretaria da Segurança Pública (SSP) neste domingo (31) para saber qual o nome do corintiano que morreu e se o estado de saúde do outro torcedor baleado continuava grave. A pasta também foi questionada se os torcedores continuam presos e por quais crimes responderão. Ainda foi indagada se quem atirou já foi identificado. Assim que a SSP se pronunciar, seu posicionamento será incluído nesta reportagem.

Briga de torcidas no Sacomã, em São Paulo, na tarde deste sábado (30). — Foto: Reprodução/TV Globo

A briga

Os dois corintianos foram atingidos por disparos na Avenida Padre Arlindo Vieira, no Sacomã. Segundo a PM, os torcedores disseram que se encontraram quando um ônibus fretado pelos palmeirenses descia a avenida. O confronto teria começado quando corintianos cercaram o veículo. Os dois grupos rivais usavam camisas de torcidas organizadas dos seus clubes.

Moradores da região gravaram imagens da briga. Um dos vídeos mostra dois torcedores com camisas do Palmeiras que parecem estar armados. Em outro vídeo é possível ver pessoas correndo com barras de ferro e pedações de madeira na mão.

“A gente só viu o pessoal correndo, tudo com pau na mão. Aí a gente já correu pra fechar, para eles não entrarem. A já fechou a porta. Só escutava os tiros e as bombas. E uma correria pra lá e pra cá, gente gritando. Susto muito grande”, diz uma testemunha que não quis se identificar.

Ainda segundo a PM, os dois baleados chegaram a ser socorridos por integrantes da torcida do Corinthians. Eles foram levados para o Pronto Socorro do Sesi. Em nota divulgada no sábado, a Secretaria da Segurança Pública informou que o estado de saúde do homem ferido era grave.

“Um homem morreu e outro ficou gravemente ferido. Informações preliminares apontam que os suspeitos usaram barras de ferro, pedaços de pau e arremesso de fogos de artifício nas agressões. No meio da confusão, indivíduos armados efetuaram disparos atingindo ao menos duas pessoas”, informa o comunicado da pasta.

O caso foi registrado no 26º Distrito Policial (DP), Sacomã, para onde os torcedores detidos foram levados. No final da tarde deste sábado, o Palmeiras enfrentou o Santos no Maracanã, no Rio de Janeiro, na final da Taça Libertadores de América. Por causa da pandemia de coronavírus, o número de quem pôde assistir ao jogo no estádio foi limitado a 5 mil pessoas.

Ainda no sábado, a PM havia reforçado a segurança em torno do estádio do Palmeiras, na Barra Funda, Zona Oeste da capital paulista, onde palmeirenses se reuniram para assistir à partida pela TV e provocaram aglomerações. O reforço da segurança também foi feito perto do estádio do Santos, no litoral.

ÁGIL DPVAT