Polícia Civil apura se causa de acidente que provocou 41 mortes foi falha nos freios ou ultrapassagem

Ônibus com trabalhadores e caminhão bateram de frente na Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em trecho de curva. Acidente matou 41 pessoas; grupo de trabalhadores de Itaí (SP) seguia para empresa quando houve o acidente.

A Polícia Civil informou nesta quinta-feira (26) que tem duas linhas de investigação para determinar as causas do acidente que matou 41 pessoas em Taguaí (SP): falha nos freios ou tentativa de ultrapassagem em local proibido.

As informações são de Camila Rosa Alves, delegada titular da Polícia Civil de Taquarituba (SP), responsável pela investigação. Segundo a delegada, os envolvidos ainda não foram ouvidos formalmente.

“Os policiais se anteciparam e colheram as versões de forma informal. No local dos fatos era muito evidente que o ônibus havia invadido a contramão. O que causou isso é o que nós estamos querendo apurar e é o que vai levar a responsabilização criminal dessas mais de 40 mortes”, explicou a delegada.

clique na imagem e saiba mais
Camila Rosa Alves, delegada titular da Polícia Civil de Taquarituba (SP), durante coletiva sobre acidente com mortes em Taguaí — Foto: TV TEM/Reprodução

Hipótese de falha nos freios

O motorista do ônibus alegou, de acordo com a delegada, que seguia na pista quando se deparou com um outro veículo, possivelmente um caminhão, que estava mais devagar.

Ao tentar diminuir a velocidade, percebeu que os freios do veículo não funcionavam e, para evitar uma colisão, invadiu a pista contrária. Neste momento, foi atingido pelo caminhão bitrem carregado com esterco.

A versão apresentada pelo motorista foi confirmada por um dos passageiros que sobreviveu ao acidente. Elian Marcos contou que avistou um caminhão na pista. “Nosso ônibus estava indo e não sei se falhou o freio quando chegou perto desse que estava muito devagar. O motorista tirou [o veículo da pista] e nisso veio a carreta contra”, relata.

Ônibus destruído após acidente em Taguaí, SP — Foto: AP Photo/Juliano Oliveira

Hipótese de ultrapassagem proibida

Já outra possível versão, colhida com base no relato do sobrevivente do caminhão, é de que o ônibus teria invadido a pista contrária durante uma ultrapassagem, e o caminhoneiro não teria conseguido frear a tempo, jogando o veículo na direção de uma propriedade rural no acostamento.

Caminhão ficou destruído após colisão com ônibus em Taguaí (SP) — Foto: Minuto do Amorim/Divulgação

41 mortos

O ônibus que levava trabalhadores de uma empresa de confecção e o caminhão bitrem com carga de esterco bateram no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em um trecho de curva, por volta das 7h de quarta-feira (25).

Os trabalhadores saíram de Itaí com destino a empresa de confecção em Taguaí. 41 pessoas morreram e dez ficaram feridas. Até a manhã desta quinta-feira (26), seis pessoas seguiam internadas.

O motorista do caminhão, Geison Gonçalves Machado, de 22 anos, morreu no acidente. Conforme a companheira dele, Geison não tinha habilitação para dirigir caminhão. O caminhão saiu de Florestópolis (PR) para descarregar em Taquarituba e depois iria para Castro (PR), cidade onde Geison morava.

Equipes de resgate e profissionais da saúde de várias cidades do estado se mobilizaram para atender a ocorrência. As vítimas foram socorridas e levadas a três hospitais da região: Taguaí, Itaí e Taquarituba. Ações mobilizaram voluntários para doação de sangue no Hemocentro de Botucatu, para as vítimas do acidente.

Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal de Avaré. Por causa da capacidade da unidade, um caminhão frigorífico precisou ser usado para armazenar os corpos à espera do exame necroscópico.

Uma força-tarefa foi montada para identificar as vítimas. Todos os corpos foram identificados e liberados durante a madrugada desta quinta-feira (26).

Mais de 40 pessoas morreram em acidente entre caminhão e ônibus de trabalhadores em Taguaí — Foto: Arquivo Pessoal

O que dizem os envolvidos

A empresa de ônibus Star Viagem e Turismo, que levava os trabalhadores da empresa Stattus Jeans, não tinha autorização para operar e funcionava de forma clandestina, segundo a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

De acordo com informações, a empresa já foi multada várias vezes e era considerada clandestina pelo órgão fiscalizador. O advogado Emerson Rodrigues, responsável pelo setor jurídico da Stattus Jeans, disse que a empresa de ônibus era contratada pelos funcionários que recebem vale-transporte. Ele não comentou sobre as condições de segurança do veículo.

A Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho é pista simples e não tem pedágios. Segundo a Polícia Militar Rodoviária de Itapeva, não são comuns acidentes naquele local. O acidente em Taguaí é o maior em número de mortes nas rodovias estaduais de SP em 22 anos. (Com informações de Esdras Pereira e Júlia Martins*, G1 Itapetininga e TV TEM)