Polícia Civil faz reconstituição de crime que deixou um morto e quatro baleados em briga por som alto

Ação contou com a presença do autor dos disparos, um PM que estava de folga, e as quatro vítimas sobreviventes. Um laudo será encaminhado à Promotoria de Justiça em 30 dias.

A Polícia Civil fez nesta terça-feira (30) a reconstituição do crime que deixou um homem morto e quatro pessoas baleadas em abril de 2020 em Taubaté (SP). Um PM que estava de folga é o autor dos disparos feitos após uma confusão por causa de som alto.

A reconstituição durou das 9h30 às 13h30 e contou com a mobilização de seis policiais civis, agentes e policiais militares. Na ação, as quatro vítimas sobreviventes e o autor dos disparos deram suas versões sobre o que houve na noite do crime.

Segundo a polícia civil, as vítimas dizem que o PM entrou no local atirando. Já o policial alega que foi agredido e revidou com os disparos. De acordo com o delegado do caso, Rubens Garcia da Delegacia Seccional de Polícia Civil de Taubaté, nenhum fato foi desmentido e os envolvidos seguiram convictos no que já haviam afirmado.

“Cada envolvido confirmou o que já tinha dito na delegacia. A reconstituição foi boa para enriquecer a investigação. Ninguém se complicou e nem desmentiu o que tinha dito”, explica o delegado.

O delegado também explicou que as imagens e informações conseguidas com a ação foram encaminhadas ao Instituto de Criminalística, onde será elaborado um laudo, que logo depois será enviado para a Promotoria de Justiça. Esse processo demora cerca de 30 dias.

PM de folga matou um e deixou quatro baleados em confusão por som alto em Taubaté — Foto: Arquivo Pessoal

Crime

O caso aconteceu em abril de 2020 durante uma festa em uma casa no bairro São Gonçalo. O PM teria pedido para que os vizinhos abaixassem o som e, sem retorno, foi ao local armado. Ao chegar, teria entrado em discussão com os organizadores da festa.

Na versão contada pelo PM no boletim de ocorrência, ele diz que na discussão foi agredido e revidou com os disparos. Houve correria. Na ação, um grupo que estava no local tentou desarmar o policial e chegou a tomar a arma, mas o PM reagiu com um segundo revólver.

Cinco pessoas foram baleadas. Um homem de 29 anos chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. Outros quatro, de 27, 21, 25 e 26 anos, foram baleados, mas socorridos. Um deles teve o dedo dilacerado após ser atingido por um dos disparos.

Ao ser abordado, o PM confessou os disparos e foi levado à delegacia, onde foi indiciado por homicídio e tentativa de homicídio , além de ter sido preso em flagrante, mas liberado dias depois. De acordo com a Polícia Civil, um dos homens baleados era procurado pela Justiça e também foi preso.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT