Polícia Civil investiga se houve negligência em caso de criança morta por cães em Rio Claro, SP

Ataque aconteceu na noite de quarta-feira (7) em uma revendedora de gás, no Jardim Alto do Santana. Mãe do menino 1 ano e 3 meses também foi mordida ao tentar proteger o filho.

A Polícia Civil de Rio Claro (SP) vai investigar se houve negligência no caso de um menino de 1 ano e 3 meses atacado e morto por cãesna noite de quarta-feira (7), em uma revendedora de gás no bairro Jardim Alto do Santana.

Segundo o boletim de ocorrência, o ataque aconteceu por volta de 20h40 no local que tem 4 cães de guarda, três da raça rottweiler em um pastor-alemão. Nos fundos há uma edícula, onde moram uma funcionária de 26 anos e os dois filhos dela, a vítima e uma menina de 5 anos.

A mulher foi atender um cliente para vender um botijão. A criança saiu atrás dela e a menina fechou a porta, quando o ataque aconteceu. A mãe tentou salvar o filho, sofreu ferimentos e conseguiu tirar os cães. Ele foi socorrido, mas não resistiu.

Criança foi atacada nos fundos de revendedora de gás em Rio Claro — Foto: Reprodução/EPTV

Investigação

Câmeras de segurança registraram o momento do ataque e serão usadas para investigar o caso. O inquérito será instaurado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) para apurar possível homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

“Vamos investigar a situação antecedente, qual era o nível de acesso dessa criança, dessa mãe. Vamos fazer a perícia para definir os espaços do local, para definir os móveis e área de circulação para saber exatamente a responsabilidade penal”, disse o delegado seccional de Rio Claro, Paulo Hadich.

“Nesse caso estamos falando mais da modalidade da negligência. Se houve negligência na guarda e na cautela desses animais, que possa ter levado a esse evento tão grave. Não é aceitável a criança estar viva e estar morta no momento seguinte num ataque de animais. Essas raças são adestradas e temos que ter responsabilidade. Muita gente adquire animais para guarda sem pensar que podem resultar em acidentes, inclusive com familiar. É preciso ter responsabilidade com aquilo que temos e animal faz parte disso”, afirmou o delegado.

Se ficar comprovada negiglência, os animais podem ser retirados do local e levados para outro mais apropriado. A polícia também vai verificar se a documentação de funcionamento da revendedora está regularizada.

A mãe, que tentou proteger o filho, também foi mordida e precisou ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do 29. O estado de saúde dela não foi informado.

Ainda de acordo com o B.O., a dona dos cães e responsável pelo depósito relatou que os cães nunca tinham demonstrado agressividade com pessoas conhecidas. Dois dos rottweilers eram filhotes com oito meses.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT