Polícia indicia médico que assinou falso atestado de óbito em golpe do seguro

Ele foi ouvido pelo delegado responsável pelo caso nesta semana em São Carlos, SP, e vai responder em liberdade por estelionato e falsidade ideológica

A Polícia Civil de São Carlos (SP) indiciou o médico Hugo Gusmão que assinou o falso atestado de óbito de uma mulher em uma tentativa de golpe do seguro de vida que somava R$ 1,4 milhão. Outros três suspeitos, entre eles um ex-agente funerário, também participaram do crime, segundo a polícia.

Gusmão foi ouvido pelo delegado responsável pelo caso nesta semana e vai responder em liberdade por estelionato e falsidade ideológica. O advogado dele foi procurado, mas não quis se pronunciar sobre o assunto.

clique na imagem e saiba mais

De acordo com a investigação, ele assinou um atestado de óbito falso em nome da ex-moradora de rua Cristiane da Silva, usada no esquema contra 4 seguradoras avaliado em R$ 1,4 milhão e constatado após a retirada de um caixão vazio do cemitério da cidade.

Cristiane da Silva teve nome usado em golpe do seguro de vida em São Carlos (Foto: Reginaldo dos Santos/ EPTV)

Cremesp

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) instaurou uma sindicância para apurar a participação do médico no golpe. Se for constatada conduta antiética, o médico pode sofrer sanções que vão de uma advertência à cassação do registro. A sindicância leva de seis meses a dois anos para ser concluída

Fraude

Segundo a investigação, os suspeitos usaram os documentos de Cristiane e simularam sua morte para conseguir o dinheiro de cinco apólices de quatro seguradoras. O líder do esquema seria um ex-agente funerário de 47 anos, que teria contado com a ajuda do genro, ex-funcionário de uma seguradora, e sua filha, uma dona de casa de 24 anos que seria a beneficiária dos seguros.

O médico, que prestava serviços em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Carlos e é genro do ex-agente, teria expedido a falsa declaração de óbito oficial.

Fonte: G1