Polícia Militar resgata mulher de cárcere privado em clínica de reabilitação após 2h de negociação em Limeira, SP

Caso ocorreu na noite deste sábado (28). Adolescente de 17 anos e outra mulher foram flagradas ameaçando vítima com facas e agredindo com chutes. Todas são pacientes da unidade.

Uma mulher foi resgatada de um cárcere privado em Limeira (SP) na noite deste sábado (28) após cerca de duas horas e meia de negociações da Polícia Militar com as agressoras. O caso foi dentro de uma clínica de reabilitação.

Uma adolescente de 17 anos e uma mulher, de 40, foram flagradas chutando e ameaçando com facas a vítima. Todas são pacientes da unidade. A PM foi acionada e encontrou a jovem, de 21 anos, – também interna e estudante de técnico em enfermagem – na cozinha da instituição gritando por socorro com pés e mãos amarrados. A porta estava trancada.

As suspeitas de agressão e tortura psicológica apontaram facas para pescoço, rosto e punho da refém, informou a corporação. Elas chegaram a cortar parte do cabelo da vítima. As duas chegaram a ameaçar incendiar o local, derramando óleo em papéis e esponjas de aço. A instituição fica no bairro Pereiras.

Segundo o boletim de ocorrência, a suspeita de 40 anos havia sido internada para tratamento de dependência química contra a própria vontade neste sábado e queria sair da clínica. A adolescente fazia tudo o que ela mandava durante a ação e também era interna da instituição.

O local foi isolado durante o convencimento para que as suspeitas libertassem a estudante. A mulher que portava a faca chegou a pedir a presença da própria mãe ao local antes de se entregar. A vítima foi resgatada e socorrida por uma unidade do resgate; ela não estava ferida. As duas suspeitas foram detidas e também passaram por atendimento médico.

Em seguida, todas foram encaminhadas ao Plantão Policial, onde prestaram depoimento e foram liberadas. Foi elaborado um termo circunstanciado de constrangimento ilegal, como o boletim de ocorrência foi registrado, e duas facas foram apreendidas.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), o caso foi registrado como constrangimento ilegal com emprego de armas. “Após ouvir as partes, a autoridade policial encaminhou as envolvidas para o Juizado Especial Cível para continuidade das apurações”, comunicou.

A Vigilância Sanitária (Visa) de Limeira informou que a clínica possui licença provisória. “Amanhã (30), uma equipe da Visa irá até o local para verificar toda a situação”, acrescentou, em nota.

Facas apreendidas pela Polícia Militar após mais de duas horas de negociações para libertar refém de clínica de reabilitação em Limeira — Foto: Polícia Militar/Divulgação

O que diz a clínica

A Clinica Previna de Limeira informou, em nota, que está apurando o caso e que colocou-se à disposição para auxiliar as autoridades no que for necessário para as investigações.

Informou, ainda, que a clínica possui seguranças em suas unidades e monitoras especializadas e que nenhuma das funcionárias da clínica foi vitima de qualquer crime.

“A Previna tem como missão a recuperação de dependentes químicos e, devido à situação de dependência química das internas, a clínica aguarda mais informações sobre os fatos da autoridade policial local para emitir um parecer final”, concluiu.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT