Por que as pessoas estão migrando para fintechs e bancos digitais?

Quase 40 milhões de brasileiros possuem contas em bancos digitais.

A tecnologia vem renovando as soluções do setor financeiro. E com o isolamento social imposto pela pandemia de COVID-19, o cenário se mostrou propício para o crescimento das fintechs e bancos digitais no mercado brasileiro.

Uma pesquisa da Fiserv, empresa que atua no processamento de transações de cartões, aponta que quase 20% dos brasileiros têm conta em bancos digitais, o que totaliza cerca de 40 milhões de pessoas. Esse percentual cresce entre os jovens de 18 a 34 anos.

O principal ponto de destaque para o consumidor é que as soluções oferecidas são 100% online, é possível aproveitar os serviços como realizar investimentos, fazer a portabilidade da previdência privada, transferências 100% gratuitas, entre outros serviços. 

O que são fintechs e bancos digitais?

O termo fintech tem origem na junção de duas palavras em inglês: financial (finanças, em português) e technology (tecnologia, em português). Então, é o que podemos entender que uma fintech é uma empresa que oferece serviços financeiros com base em tecnologias disponíveis no mercado.

Os bancos digitais são exemplos de segmentos bastante populares entre as fintechs. Atualmente no Brasil, temos diversos bancos digitais como o Nubank, o Banco Inter, o C6 Bank, entre outros. Porém, não é preciso ser uma fintech para se tornar um banco digital. Prova disso é que muitos bancos tradicionais do país já criaram soluções de contas digitais para ofertar a seus clientes.

Retrato atual da distribuição bancária no Brasil

Os bancos tradicionais ainda são os preferidos dos brasileiros, mas a situação tende a mudar no médio e longo prazo. Um estudo da aceleradora de startups Fisher Venture Builder, que ouviu cerca de 1,3 mil pessoas em todo o Brasil, aponta que a maioria dos brasileiros possui conta em apenas uma instituição financeira.

De acordo com a pesquisa, 42% possuem conta em fintechs e em bancos tradicionais. Porém, os dados mostram que a maioria concentra a maior parte do seu capital em bancos tradicionais. Apenas 6% possuem conta apenas em fintechs.

Entre os mais jovens de 25 a 34 anos, as fintechs são as principais opções bancárias. De acordo com os dados, 44% destes tem em uma fintech a sua principal conta bancária.

Segundo o cofundador da Fisher Venture Builder, Pietro Bonfiglioli, a pesquisa mostra que o consumidor preza uma conta bancária que traga a possibilidade de fazer tudo 100% online e que, neste caso, as fintechs esbarram em dificuldades de onboarding, não conseguindo ainda prover uma interação ágil e 100% digital com seus clientes.

Migração para os fintechs deve aumentar nos próximos anos

Os resultados mostram que 43% dos entrevistados se encontram dispostos a migrar para outro banco, e destes, 44% disseram que mudariam de seus bancos tradicionais para uma fintech. A disposição para migrar de banco é ainda maior entre os mais jovens.

Bonfiglioli aponta que a mudança de cenário se deu porque muitas pessoas passaram a acessar suas contas bancárias pelos aplicativos no smartphone, o que se intensificou com a pandemia de coronavírus. O executivo aponta que as barreiras de maior parte dos brasileiros de ter conta em uma fintech estão diminuindo e por isso as mudanças acontecem muito rapidamente.

Quais são os principais pontos positivos de fintechs e bancos digitais?

De acordo com a pesquisa da Fisher, apesar de ainda enfrentar dificuldades para interagir com os clientes, a satisfação dos clientes com as fintechs é maior em comparação com os clientes de bancos tradicionais. Um dos principais pontos de destaque das fintechs é a boa usabilidade dos aplicativos e a experiência em sites e processos de compra.

Quando perguntadas sobre o nível de satisfação com as fintechs, a nota média foi de 8,9, contra 7,3 dos bancos tradicionais. Entre os pontos que mais o cliente valoriza é a possibilidade de fazer tudo online, sendo a principal vantagem para 64%.

Outros pontos que chamam atenção nas fintechs são a facilidade em executar operações e a confiabilidade e segurança que a instituição passa, pontos citados por 44% dos entrevistados.

Entre os principais aspectos positivos de ter uma conta digital em uma fintech também podemos apontar a diminuição de burocracia, o que fica bem evidente na facilidade de abrir uma conta, ter menos taxas em operações como transferência e recebimento de valores.

Fora isso, as fintechs estão sempre buscando novas formas de atrair clientes dos bancos tradicionais. Um dos principais serviços que tem ganhado destaque no mercado são os sistemas de cashback. Ter um percentual do dinheiro de volta na compra de produtos em lojas parceiras se tornou uma prática comum entre os principais bancos digitais do mercado.

A tendência é que os bancos digitais se tornem as principais opções de conta bancária no mercado. Sejam oriundas de fintechs ou de soluções criadas por bancos tradicionais, o caminho é que os consumidores possam resolver tudo sobre a sua vida financeira pelos aplicativos, 100% online sem necessidade de sair de casa, podendo estar em qualquer lugar. 

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT