Presídios de SP inscrevem quase 14 mil reeducandos na Olimpíada de Matemática

Na Capital e Região Metropolitana de São Paulo foram 1.048 inscritos.

Presídios subordinados à Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SAP) inscreveram 13.698 reeducandos na 16ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). A maior competição científica do país passou por mudanças em razão da pandemia de Covid-19 e a edição, que seria realizada em 2020, foi transferida para este ano.

Diferentemente dos torneios anteriores, as provas da primeira fase serão disponibilizadas na página restrita das unidades prisionais no site da Obmep. As avaliações poderão ser feitas de 30 de junho a 3 de agosto e serão aplicadas em salas de aulas instaladas nos presídios, respeitando todos os protocolos de prevenção do novo coronavírus.

Os exames são divididos por grau de escolaridade: Nível 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental), Nível 2 (8º e 9º anos) e Nível 3 (Ensino Médio). A primeira fase é composta por uma prova de múltipla-escolha de 20 questões.

No dia 9 de setembro, a organização divulgará os classificados para a segunda fase, prevista para ocorrer no dia 6 de novembro, cuja avaliação será discursiva, com seis questões.

Preparar 

Com o objetivo de amparar as pessoas privadas de liberdade para o retorno à vida em sociedade, a SAP e a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) vêm estimulando, cada vez mais, os reeducandos a participarem da Olimpíada de Matemática.

Realizada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), a Obmep é uma realidade no sistema prisional paulista desde 2012, quando passou a ser aplicada nas unidades penais do Estado.

Presos que não possuem formação escolar podem concluir os estudos enquanto cumprem pena, por meio de escolas vinculadoras instaladas dentro dos presídios, que oferecem formação dos ensinos Fundamental e Médio. Os reclusos também participam de cursos de línguas, profissionalizantes e do Ensino Superior.

Histórico 

Serão distribuídas aos participantes 575 medalhas de ouro, 1.725 de prata e 5.175 de bronze, além de 51.900 menções honrosas. A SAP, inclusive, tem histórico positivo na Obmep.

Na edição de 2017, um presidiário colombiano, que cumpria pena na Penitenciária “Cabo PM Marcelo Pires da Silva” de Itaí, Interior de São Paulo, faturou a medalha de ouro. Ele foi o primeiro preso na história da Obmep a levar o prêmio máximo na competição nacional.

Dados Locais

Nas unidades prisionais localizadas na Capital e em municípios da Grande São Paulo foram 1.048 reeducandos inscritos na Olimpíada.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT