Procon-SP notifica Burger King e McDonald’s por problemas na Black Friday

A batalha das concorrentes por mais clientes na data pode custar caro.

O Procon-SP notificou as redes de fast-food Burger King e McDonald’s após problemas no processo de pagamento das ofertas oferecidas por ambas as empresas durante a Black Friday nesta sexta-feira (29).

A batalha das concorrentes por mais clientes na data pode custar caro: as companhias deverão responder a um processo administrativo e podem ser multadas pelo Procon, segundo nota divulgada pelo órgão vinculado à Secretaria da Justiça e Cidadania.

O Mercado Pago, fintech que oferece soluções de pagamentos do grupo Mercado Livre, e parceiro das duas empresas nas promoções sofreu instabilidades, chegando a ficar fora do ar, nesta sexta-feira (29).

“A publicidade veiculada informava que o consumidor só teria direito a oferta caso fosse realizada pelo aplicativo, porém as equipes de fiscalização verificaram que várias lojas das referidas lanchonetes estavam com o sistema inoperante. Assim, o consumidor não consegue adquirir o lanche pelo valor promocional ofertado”, diz o Procon.

Em nota, o Mercado Pago informou que as transações de pagamento com Código QR nas redes parceiras para a campanha da Black Friday voltaram a funcionar “após um breve período de instabilidade no sistema”.

A companhia ainda afirmou que escalou equipes para estarem hoje nas lojas parceiras, a fim de esclarecer dúvidas e dar suporte a compradores e vendedores.

O Burger King também confirmou que as promoções oferecidas apresentaram instabilidade nos sistema de pagamento. Em nota, a rede de fast-food afirma que ambas as empresas estão trabalhando para que “situações como essas não voltem a ocorrer”.

Devido à situação, a empresa informou que “reforça o seu compromisso em oferecer serviços de qualidade aos seus consumidores e vai manter as ofertas de 6 sanduíches por R$15 e 3 sanduíches por R$5 para todos os meios de pagamento, em todos os restaurantes participantes”.

O McDonald’s confirmou as instabilidades também, mas até o momento de publicação desta matéria não enviou uma nota ao InfoMoney.

VEJA TAMBÉM: Receita apreende R$ 700 mil em produtos sem nota em centro dos Correios em Indaiatuba, SP