Professoras da FMUSP recebem homenagem por trabalhos sobre o combate à pandemia

O Prêmio Mulheres na Ciência – Destaques 2020 foi entregue para 10 pesquisadoras da Universidade de São Paulo (USP).

O Prêmio Mulheres na Ciência – Destaques 2020 foi entregue para 10 pesquisadoras da Universidade de São Paulo (USP) que se destacaram no ano passado com estudos sobre o coronavírus, sendo cinco delas professoras da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de São Paulo.

A cerimônia de entrega da condecoração foi realizada no Dia Internacional da Mulher, 08 de março de 2021, em um evento online, marcado por debates e oficinais sobre mulheres em carreira científica e homenagens às pesquisadoras da Universidade. A organização foi da Pró-Reitoria de Pesquisa e o Escritório de Carreiras (ECar).

Para a Profa. Anna Shafferman Levin, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da FMUSP, que coordena dois serviços essenciais no Hospital das Clínicas (HC) o Controle de Infecção Hospitalar e a Divisão de Doenças Infecciosas e Parasitárias, foi uma honra e felicidade muito grande receber a homenagem. “Em março de 2020, frente a uma doença desconhecida em relação à transmissão, prevenção e tratamento, os profissionais de saúde em todo o mundo iniciaram um enorme e corajoso esforço de enfrentamento. O trabalho que os profissionais de saúde do HCFMUSP realizaram, e continuam realizando neste recrudescimento da pandemia, é árduo, perigoso e quase invisível, e a maioria dos profissionais da linha de frente são mulheres. Vejo este prêmio como uma justa homenagem a elas”, afirmou a Profa. Anna Levin.

Outra pesquisadora premiada da FMUSP foi a Profa. Marisa Dolhnikoff, do Departamento de Patologia, que enfatizou: “no combate à Covid-19, as mulheres são maioria na linha de frente, no cuidado ao paciente, e no cuidado dos mais vulneráveis, como os idosos e as crianças que deixaram de frequentar a escola. Poder de alguma forma representá-las é uma enorme honra para mim”. A Profa. Marisa Dolhnikoff ainda complementou: “neste momento tão difícil da pandemia, e num cenário onde o governo federal trata a Ciência e a comunidade científica com desprezo, considero um privilégio poder contribuir com meu trabalho para o avanço do conhecimento sobre a doença. Este prêmio é o resultado do trabalho intenso e permanente da equipe de Autópsia Minimamente Invasiva da FMUSP. Sou muito agradecida a essa equipe de pesquisadores, técnicos e professores, entre eles várias grandes mulheres”.

A Profa. Thais Mauad, do Departamento de Patologia da FMUSP, falou que em um momento de grande tristeza por tudo que acontece no país e no mundo, ela gostaria que esta lembrança se estendesse a todos que estão dedicando seu tempo na luta contra à Covid-19 no Brasil, apesar dos reveses que a ciência brasileira vem sofrendo. A Profa. Thais afirmou: “gostaria de especialmente dedicar esta lembrança a todo bravo e incansável grupo que tem estudado as autópsias de Covid-19”. E complementou: “repudio com toda minha força o governo federal que temos, que tanto sofrimento tem causado a tantos seres. Penso naqueles que perderam suas vidas pelo vírus, e a ciência não pôde ajudar a tempo, e aqui fica minha compaixão. Gostaria que, passada a pandemia, a área da saúde possa trabalhar urgentemente para uma melhor saúde planetária, para que nossas futuras gerações não tenham que passar por tantos sofrimentos como passamos agora”.

O Prêmio Mulheres na Ciência também foi concedido para a Profa. Ester Cerdeira Sabino, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias, e Profa. Ludhmila Abrahão Hajjar, do Departamento de Cardiopneumologia, ambas da FMUSP. Além das pesquisadoras Larissa Dias da Cunha (FMRP), Lorena Guadalupe Barberia (FFLCH), Lúcia Helena Faccioli (FCRFP), Maria Rita Passos-Bueno (IB) e Regina Pelkemann Markus (IB).

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT