Qual a importância de um psicólogo dentro de uma organização?

Ter um psicólogo alocado em uma empresa é fundamental para o bem-estar coletivo e o desenvolvimento das potencialidades de todos. 

Os índices de absenteísmo devem sempre ser avaliados. A palavra diz respeito aos momentos em que os trabalhadores ficam distantes da empresa, seja por questões de saúde, atrasos constantes, saídas antes do horário, etc.

É natural, veja, que alguns colaboradores precisem se ausentar em momentos específicos. Problemas pessoais e com os filhos, assim como alterações na saúde, podem acontecer inesperadamente e devem ser tratados com a devida urgência e cuidado.

Se, porém, a quantidade de pessoas que tem se afastado da empresa está em crescimento, é preciso que se faça um levantamento das circunstâncias que mais têm colaborado para isso.

Os trabalhadores estão sumidos por sofrimento mental, como depressão, crises de ansiedade ou burnout? As saídas ou atrasos têm sido justificadas por problemas de ordem pessoal com frequência e há, além disso, um visível desinteresse pelo trabalho?

Ao se deparar com quadros do gênero, é preciso que o RH não aponte dedos – às vezes, o funcionário está passando por um momento difícil e precisa de ajuda especializada, mas não sabe se pode ou para quem pedir. Além disso, às vezes há receio e vergonha de se colocar em uma posição que pode ser vista como frágil.

Eis um dos motivos pelos quais é tão importante ter, à disposição dos funcionários, uma pessoa especializada em psicologia. Apenas um especialista pode, ao ouvir as queixas dos trabalhadores, auxiliá-los no processo de recuperação emocional – e encaminhá-los, caso seja preciso, para um especialista em psiquiatria.

Existem outras razões para ter um psicólogo alocado na empresa. Falaremos um pouco mais sobre elas a seguir.

A importância do psicólogo nas empresas

Dentro das companhias, temos o chamado psicólogo organizacional. Como o nome sugere, trata-se de um especialista que busca compreender os comportamentos organizacionais e todas as circunstâncias que estão atrelados a eles.

Existe, claro, um cuidado voltado para a saúde mental dos colaboradores. O psicólogo pode, através da avaliação do espaço de trabalho e por meio dos relatos dos funcionários, apontar quais são os fatores que podem estar adoecendo as pessoas e enfraquecendo os elos da companhia.

Da mesma forma, ele pode identificar quais são os gatilhos para a desmotivação de funcionários e quais são os pontos do comportamento dos líderes que estão sendo abusivos ou prejudiciais para o bem-estar coletivo (inclusive para a saúde mental).

Dessa maneira, ele não apenas atua para que os trabalhadores sejam vistos como indivíduos e não apenas como força de trabalho. Isso, sabemos hoje, é um erro terrível para as empresas que querem crescer, além de, claro, ser uma atitude desumana. 

Por meio de um trabalho direcionado e efetivo, o psicólogo organizacional contribui para o aumento da motivação, da identificação com o coletivo e para a sobrevivência da empresa no mercado, que está cada vez mais competitivo e difícil.

Outras vantagens de ter um psicólogo por perto

Depois de tudo que já mencionamos, há mais? Sim!

Se o profissional da psicologia possui liberdade para dialogar com diversos setores da companhia – em especial com o RH, já que este é responsável pelo contato direto com o material humano da empresa -, ele pode auxiliar na reciclagem de comportamentos tóxicos, que não são mais bem-vindos em nenhuma instituição.

Por “comportamentos tóxicos”, podemos citar uma série de coisas: a desvalorização de profissionais que advêm de minorias, a hierarquização da fala, que afasta pessoas dos seus líderes e torna o ambiente de trabalho pesado e às vezes, até um pouco humilhante, e a comunicação violenta.

Não existe mais espaço, dentro do mercado de trabalho, para companhias que não buscam estar atualizadas às demandas de seus nichos.

Na prática, há um combate efetivo ao assédio moral – além do assédio sexual, infelizmente um problema em companhias de diversos portes e áreas de atuação -, além de uma busca pela diversificação de pontos de vista.

Já está comprovado que, quanto mais homogêneo é um corpo de trabalhadores, mais óbvias serão as soluções encontradas por eles. E isso faz sentido: se todos viemos do mesmo lugar, se passamos por processos análogos e se pensamos parecido, não chegaremos sempre às mesmas conclusões?

Quanto mais buscamos inserir pessoas de backgrounds diferentes em nossos espaços comuns, mais aprendemos, escutamos e aprendemos a falar. E se isso é difícil para alguns trabalhadores, o psicólogo organizacional também pode ajudar!

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT