Rapaz mata namorada de 17 anos depois envia mensagem para mãe e prima da garota confessando crime

Quando os PMs chegaram ao local, o autor do crime confessou o que fez e indicou onde estava o corpo da namorada.

A adolescente Karolina de Souza Silva, de 17 anos, foi morta pelo namorado na madrugada de quinta-feira (10) em Vitória (ES). Contra o autor, que confessou o crime à polícia, há quatro processos por ato infracional e uma guia de medida socioeducativa por ato análogo à lesão corporal no âmbito da violência doméstica.

O episódio que tinha motivado a vítima a pedir medidas protetivas ocorreu em 14 de agosto de 2018, quando o namorado ainda era menor de idade, segundo o Tribunal de Justiça do Espírito Santo, que converteu a prisão em flagrante pela morte em preventiva

clique na imagem e saiba mais

De acordo com os autos do processo, policiais militares foram acionados por moradores que imobilizaram Gustavo depois que ele provocou um corte no pescoço da vítima, acertando a veia jugular. Quando os PMs chegaram ao local, o autor do crime confessou o que fez e indicou onde estava o corpo da namorada.

A equipe da perícia técnica da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa constatou que foi utilizada uma arma branca do tipo “serrinha de alumínio” e uma espátula. Ambas foram apreendidas.

Levado para a delegacia, Gustavo relatou que mantinha um relacionamento com Karolina e tinha combinado de se encontrar com ela na noite de quarta-feira (9). Ele disse que os dois consumiram bebidas alcoólicas, tiveram relação sexual e conversaram sobre o namoro.

Em seguida, Gustavo afirmou que conferiu as mensagens registradas no celular de Karolina, acrescentando que ela fizera o mesmo com o seu aparelho. Em depoimento, ele admitiu ter sido “sempre muito possessivo” com a vítima e contou ter sentido “raiva” ao ver que ela conversava com outros homens.

Antes de matar a namorada, Gustavo disse ter desferido um “mata leão” que fez a adolescente desmaiar. Enquanto ela ficou desacordada, ele explicou ter pego as armas do crime. Uma vez que Karolina já estava morta, o autor ainda enviou uma mensagem para a mãe e uma prima dela contando o que tinha feito. Conforme os parentes da vítima apareceram na residência onde estava o casal, Gustavo tentou fugir, mas foi contido pelo grupo.

Além da agressão sofrida em agosto de 2018, que resultou em internação por medida socioeducativa para Gustavo, a vítima também denunciou ter sido alvo de ameaças de morte “diversas vezes” em áudios enviados por ele em fevereiro de 2019, após uma audiência do caso de violência doméstica.