Secretários apresentam sistema de monitoramento de contatos de casos de COVID-19 em SP

Sistema é mais uma iniciativa para contenção do vírus em todo o território estadual e já tem adesão de 188 municípios.

O Governo do Estado de São Paulo promoveu na quarta-feira (19) uma conferência online de lançamento do Sistema de Monitoramento de Contatos 2.0. O sistema propõe medidas para que os municípios adotem um mesmo padrão de monitoramento dos casos confirmados de COVID-19 e das pessoas que tiveram contato com esses pacientes. Essa prática é mais uma iniciativa para evitar a propagação do novo coronavírus no estado.

Até o momento, 188 municípios já se candidataram para a adesão ao programa e estão em fase de formalização junto ao Governo do Estado. O encontro virtual dessa quarta-feira contou com a presença dos Secretários de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi; de Saúde, Jean Gorinchteyn; de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, e do coordenador do Controle de Doenças do Estado, Paulo Menezes, além da diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica, Helena Sato.

clique na imagem e saiba mais

“O Estado tem tomado medidas fundamentais para apoio aos municípios durante o enfrentamento à pandemia. Continuamos aumentando o sistema de saúde, fortalecendo a estrutura da vigilância epidemiológica e proporcionando um sistema que unifica a mesma fórmula de atendimento para os 645 municípios paulistas”, afirma o Secretário Marco Vinholi.

Desde o início do combate ao coronavírus, a estratégia do estado se ampara no preparo do sistema de saúde, com a capacidade de triagem, monitoramento e tratamento dos casos confirmados, suspeitos e de seus familiares.

“O Governo do Estado de São Paulo ampliou de forma rápida o número de leitos e incrementou o número de respiradores em todas as regiões. Essas medidas têm sido fundamentais para que o sistema de saúde não colapse, permitindo ao mesmo tempo o atendimento a todos os paulistas”, completa o Secretário Jean Gorinchteyn.

O Sistema de Monitoramento, portanto, terá papel fundamental neste processo. O rastreamento e monitoramento de pessoas que tiveram contato com infectados provaram ser das formas mais eficazes de reduzir a disseminação do vírus.

“O Programa implementado em São Paulo será o maior Sistema de Monitoramento de Contatos do mundo. Nosso objetivo é que todos os 645 municípios paulistas façam a adesão para que possamos monitorar e medir o impacto da iniciativa”, reitera a Secretária Patrícia Ellen.

Como funciona

O Sistema implementado por São Paulo funciona da seguinte forma:
1. Município notifica nas bases de saúde e vigilância o caso confirmado ou suspeito com sintomas de COVID-19, e que está aguardando resultado;
2. O agente de saúde reforça com o paciente a necessidade de isolamento, mapeia contatos e checa os sintomas;
3. É realizado o isolamento por 10 dias com monitoramento periódico dos sintomas.

O agente de saúde será responsável também pelo mapeamento das pessoas que tiveram contato com aqueles pacientes para isolamento e demais orientações. Entende-se por contato quem esteve por pelo menos 15 minutos a menos de 1 metro de distância de alguém diagnosticado com COVID-19.

O contato para informar sobre a necessidade de isolamento será feito por agente de saúde ou apoio de mensagem de SMS. O paciente deve ficar em isolamento por 14 dias, com monitoramento acompanhado por meio de mensagens e tecnologia.

“O Estado oferecerá apoio aos municípios com o aumento do alcance da vigilância epidemiológica que já existe. Também disponibilizaremos diretrizes e recomendações de práticas para garantir o isolamento social eficiente, além da plataforma Cloud, com a gestão de atendimento unificado entre os municípios”, afirma Paulo Menezes.

O protocolo estadual de monitoramento é um documento sucinto, claro e objetivo, em que são padronizadas as condutas de isolamento e acompanhamento de casos e contatos. Ele dispõe de estratégias e fluxos de utilização do sistema; orientações para casos de surto, de investigação de casos e suspeitos e rastreamento de contatantes, orientações para monitoramento e isolamento, definição operacional de casos confirmados, suspeitos e contatantes e objetivos do rastreamento e monitoramento de contatos.

O protocolo propõe ainda sugestões de novas práticas na conduta do rastreamento e monitoramento, como:
– padronização das condutas da estratégia de rastreamento e monitoramento;
– condutas de afastamento mais atuais, de acordo com padrões internacionais e o novo padrão nacional;
– preconização do rastreamento, afastamento e monitoramento dos contatantes de casos confirmados e suspeitos;
– realização de investigações, rastreamento e orientações em até 24 horas da confirmação e notificação dos casos;
– comunicação automática feita pelo sistema por meio de mensagens SMS e monitoramento de contatantes por meio da autoavaliação de sintomas via chatbot.