Segundo cérebro: entenda por que o intestino recebeu esse nome e como ele é responsável por influenciar o humor

Ao produzir 95% da serotonina do nosso corpo, o órgão possui um sistema nervoso próprio e atua de forma independente do cérebro.

A maioria das ações do corpo humano é comandada de acordo com instruções do sistema nervoso central, porém o intestino é um órgão que se difere desse processo e pode funcionar sozinho, agindo através do sistema nervoso entérico, que dentre diversas funções próprias, produz 95% da serotonina do organismo – um neurotransmissor que regula funções como humor, apetite e de intelecto.

Segundo a gastroenterologista Amanda Morêto, essa autonomia torna o intestino um segundo cérebro. “Porém, é preciso ressaltar que ainda existe uma conexão com o sistema nervoso central, chamada de eixo cérebro-intestino. Essa ligação torna possível que um dos órgãos interfira nas doenças do outro, o que pode causar alterações de humor e  sintomas intestinais associados, por exemplo” diz.

A doutora ainda explica que como o eixo cérebro-intestino está interligado é preciso garantir a sua manutenção e bom funcionamento a fim de uma boa qualidade de vida.

clique na imagem e saiba mais

“Manter um bom sono e praticar atividades físicas regularmente são algumas formas de manter o bom funcionamento do eixo cérebro-intestino, pois são benéficas tanto para a saúde física quanto para a mental. Uma alimentação mais saudável, rica em fibras e com farto consumo de água também é importante”, comenta.

O equilíbrio de uma alimentação saudável e balanceada é o ponto mais importante para uma melhora no funcionamento do intestino e consequente controle do humor.

“Por existir essa ligação direta com o sistema nervoso central, quando o paciente tem alterações intestinais como intestino preso ou diarreia, a qualidade de vida sofre um impacto direto, o que acarreta problemas psicossociais”, afirma a Dra. Amanda.

Quem é Dra. Amanda Morêto Longo?

Formada em 2012 pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM), Amanda Morêto Longo fez residência de clínica médica pelo Hospital da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e, na sequência, de Gastroenterologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Possui fellowship na Unidade de Gastroenterologia do Hospital Clinic de Barcelona, na Espanha. É especialista titulada pela Federação Brasileira de Gastroenterologia e também é doutoranda em Hepatologia pela Faculdade de Medicina da USP.

ÁGIL DPVAT

Atualmente, faz parte do corpo clínico da GastroVita Araraquara, é médica assistente do Hospital Estadual de Américo Brasiliense e professora da disciplina e do internato de Gastroenterologia, do curso de medicina, da Universidade de Araraquara (Uniara).