A notícia foi dada por Iran Giusti, organizador da Casa 1.

Conhecida por receber pessoas LGBT que foram expulsas de suas residências, a Casa 1 anunciou que irá encerrar suas atividades no final deste ano por falta de recursos para manter o local. O espaço, que fica no centro de São Paulo e é conhecido também por realizar atividades culturais na região, não tem mais como manter as 20 pessoas que vivem no local hoje.

A notícia foi dada por Iran Giusti, organizador da Casa 1. Segundo ele, o projeto, que se sustenta tão somente por doações desde janeiro de 2017, só tem recursos para se manter até dezembro deste ano. Iran diz que todos os projetos e ações do local custam cerca de R$ 40 mil mensais. Em entrevista ao blog, ele afirmou que a ideia inicial do projeto era que ele mesmo fizesse tudo sozinho, ao menos no primeiro ano, e que, com o tempo, ele se tornasse algo mais coletivo.

Isso aconteceu em partes, segundo ele. “Mas não com uma força de trabalho expressiva para segurar o que aconteceu politica e socialmente. A eleição do [Jair] Bolsonaro influenciou na decisão de fechamento em especial pelo completo desaparecimento de empresas e organizações [que topassem ajudar] assim que ele foi eleito”, disse Iran que acredita que o projeto só continuará se acontecerem novas doações.

Ao longo do ano, ele garante que irá continuar tentando editais, projetos com empresas e incentivando doações de pessoas físicas. Mas que, tendo em vista os últimos meses, não acredita que terá êxito. Para ilustrar a grave situação, Iran diz que teve que pedir doações de alimentos não perecíveis na semana passada.

Até hoje, a Casa 1 acolheu diretamente cerca de 200 pessoas e já ajudou cerca de 2 mil pessoas por meio da programação do local. Caso o espaço não consiga um bom retorno financeiro, os moradores que estão lá hoje terão que ir para outros lugares. Segundo Iran, as pessoas físicas podem ajudar por meio de um financiamento coletivo que pode ser acessado clicando aqui: https://benfeitoria.com/casa1.