Setor de Endemias já registra 819 casos de dengue e intensifica ações contra o mosquito Aedes aegypti em Araras, SP

Já 598 casos a mais do que no ano passado todo e uma morte. Além do bloqueio e da nebulização, o foco de mais de 100 profissionais também é a limpeza em vias públicas.

Com 819 registros de casos de dengue, Araras (SP) intensificou as ações contra a doença. Nesta terça-feira (12), a o trabalho foi realizado no Olivia Park, Santa Olivia 2 e no Jardim Tangará. Além do bloqueio e da nebulização, o foco também é a limpeza em vias públicas.

Em 2021, foram registrados 221 casos de dengue e nenhuma morte. Este ano, a cidade já contabiliza um óbito e 598 a mais do que no ano passado todo. “Esperávamos que tivesse esse aumento por conta da chuva e por conta do sorotipo que está circulando na cidade. Ano passado, tivemos o sorotipo 2, que é menos agressivo. O sorotipo 1 se alastra rapidamente”, disse Luciana Bianco, coordenadora dos setores de Endemias e Zoonoses.

Ações nos bairros

Mais de 100 profissionais estão em uma força-tarefa para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

Os setores de Endemias e Zoonoses, por exemplo, estão com os agentes fazendo a nebulização nos bairros. “A gente passa um dia antes nos quarteirões onde tem casos positivos, retira os criadouros e no dia seguinte a gente passa para fazer a nebulização, que é a aplicação de inseticida para matar o mosquito”, disse Luciana.

Para que o trabalho seja ainda mais ágil, além da atuação dos profissionais, a população é orientada a evitar possíveis criadouros do mosquito e a abrir a porta de casa para os agentes, que estão identificados.

“A gente pede à população que entenda o nosso trabalho para que abra a residência. Nós vemos que estamos encontrando muita casa fechada a pessoa não dá importância, não abre a casa, não deixa ninguém com a chave”, disse Luciana.

A costureira Neurícia Maria Rosa Dias abriu a porta de casa, imediatamente, quando soube que o trabalho de nebulização seria realizado. Preocupada, a aposentada Maria Augusta Madalon também apoia o serviço. “A gente cuida, mas eles passando também ajuda”, disse.

Limpeza de espaços públicos

A ação se estende para os locais de uso comum também, por meio do Departamento de Serviços Públicos. As equipes trabalham em vários lugares porque o mato cresce muito rápido, cerca de três centímetros por dia, por isso é necessário roçar novamente em até 25 dias, disse Claudio de Souza, secretário de Serviços Públicos.

Outro problema é a sujeira encontrada nos locais públicos, o que contribui para a reprodução do mosquito da dengue. “A pessoa não descarta o seu lixo corretamente, acaba virando um criadouro em potencial para o mosquito”, disse Souza.

O mestre de obras João Cardoso já teve a doença, por isso sabe da importância de colaborar para manter a cidade limpa. “Já tive dengue e sei como é duro, a dor que você passa, o mal-estar que você fica, é complicado tem que cuidar”, disse.

Nesta quarta-feira (13), as ações de combate à dengue serão feitas no Condomínio Terras de Santa Olívia.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP