Tragédia de Mariana: estudo permite rastreamento de resíduos pelo Rio Doce e oceano

Desastre com 19 mortos aconteceu no dia 5 de novembro de 2015. Superlaboratório auxiliou em pesquisa que revelou ‘impressão digital’ e mapeou rejeitos distantes 400 km do local do rompimento da barragem.

Um estudo realizado com auxílio do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP), permitiu o rastreamento de resíduos provocados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), que completa cinco anos nesta quinta-feira (5). O trabalho dos cientistas revelou a “impressão digital” dos rejeitos e mapeou eles do Rio Doce até a chegada ao Oceano Atântico, no litoral norte do Espírito Santo, distante 400 km do local da tragédia.

Realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) com ajuda do CNPEM, o trabalho, recém publicado em uma revista científica, identifica um conjunto de minerais presentes apenas nos resíduos de mineração que eram armazenados na barragem, criando um marcador único para o rastreamento.

Marcos Tadeu Orlando, físico nuclear da UFES, ressalta que a identificação dessa “assinatura”, possível apenas com os recursos tecnológicos do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), trouxe consenso entre os pesquisadores para identificar quais minerais são, de fato, oriundos da barragem.

clique na imagem e saiba mais

Por conta de trabalhos anteriores na foz do Rio Doce, desde 2012, os pesquisadores da UFES tinham amostras anteriores à tragédia e podiam compará-las com as coletadas pós-2015.

“Mas até então, na equipe multidisciplinar da universidade, não havia consenso de quais seriam os marcadores para diferenciar os rejeitos. Isso só foi possível com a luz síncrotron, que identificou um conjunto de minerais de ferro, como magnetita, goethita e grennalita, que não tinham em outras amostras, não existia antes”, pontua.

É como se o material passasse a ter um RG, e fosse possível identificá-lo em diferentes amostras. Não à toa, ganhou um nome: foi batizado de IMS (Iron Mineralogical Set).