Transplantes de córnea caíram pela metade no Brasil desde o início da pandemia de Covid-19

O ano de 2021 registrou uma melhora, mas ainda com números abaixo dos dados pré-pandemia.

A pandemia da Covid-19 afetou bastante os transplantes de córnea no Brasil. As cirurgias caíram praticamente pela metade desde que o coronavírus atingiu o país, em março de 2020, fazendo com que a fila de espera para o transplante crescesse 80%.

Nos últimos dois anos, destacou a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), essa operação foi uma das ais afetadas. Em 2020, o Brasil registrou mil transplantes de córnea. Para se ter uma ideia, no ano anterior o número foi de 14,9 mil.

O ano de 2021 registrou uma melhora, mas ainda com números abaixo dos dados pré-pandemia. No ano passado, foram registrados 12,7 mil procedimentos, 16% menos que em 2019. Tanto os transplantes como o número de captações está em queda, por isso a fila só cresce.

No final de 2019, 10,7 mil pessoas estavam inscritas para receber novas córneas. Dois anos depois, em dezembro de 2021, o número subiu para 18,8 mil pacientes à espera de uma cirurgia. Uma das pessoas é a professora Tatiana Lima, de 42 anos. Ela explicou que a fila costumava andar mais rápido antes da pandemia. Ela tem todos os exames e aguarda há três anos para fazer a operação em Brasília.

Este será meu segundo transplante. O primeiro, nos dois olhos, foi feito há 30 anos, em Goiânia, quando eu ainda era adolescente. Com o passar dos anos minha visão esquerda foi piorando. Por causa do ceratocone, uma das córneas voltou a ficar fina e, por isso, o novo transplante”, explicou, em entrevista à Agência Brasil.

A córnea é o tecido transparente na parte frontal do olho, sendo a primeira lente por onde entra a luz. As pessoas que precisam dessa parte geralmente sofrem com ceratocone, doenças congênitas, distrofias de córnea e cicatrizes pós trauma, perdendo a transparência do tecido.

Para doar a córnea, a família precisa autorizar. É importante que doadores de órgãos avisem aos familiares. A captação da córnea é feita poucas horas após a morte do paciente. Mas, aquelas pessoas que tiveram linfomas ativos e leucemias, hepatites B e/ou C, HIV (AIDS), infecção generalizada, endocardite bacteriana, raiva, ou algumas doenças em atividade como sífilis ativa e leptospirose não podem doar.

 
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP