Uma em cada 4 famílias brasileiras está inadimplente

Young family man and woman checking household budget expenses using mobile smartphone app against background house. (Young family man and woman checking household budget expenses using mobile smartphone app against background house., ASCII, 116 compon
Anúncio
Clique na imagem. Link direto para Whatsapp


Entre os que estão com dívida em aberto, 9,6% disseram não ter condições de honrar seus compromissos financeiros.

Uma em cada 4 famílias brasileiras está com dívidas ou contas em aberto. Dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a CNC, revelam que o país fechou o mês de setembro com índice de inadimplência de 24,5%. É um percentual ligeiramente maior do que o registrado em agosto, que foi de 24,3%, e também superior ao registrado um ano antes: em setembro de 2018, 23,8% das famílias estavam inadimplentes. 

Entre os que estão com dívida em aberto, 9,6% disseram não ter condições de honrar seus compromissos financeiros. O levantamento revela também que o cartão de crédito ocupa o primeiro lugar entre as modalidades de dívidas das famílias brasileiras. 8 em cada 10 devem no cartão. Na seqüência, aparecem os carnês, citados por 15 e meio por cento, e praticamente 10 em cada 100 estão com o financiamento do carro atrasado.

Para quem está endividado e busca um jeito de organizar a vida financeira, a primeira dica é conhecer os ganhos e os gastos, para poder diminuir ou até cortar certas despesas. É fundamental também, segundo o especialista em mercado financeiro Victor Loyola, tentar negociar com os credores, para diminuir os juros e encargos.

O empréstimo consignado é aquele que tem as parcelas descontadas diretamente no valor do benefício, no caso de aposentados e pensionistas, ou da folha de pagamento, quando o empréstimo é para servidores públicos ou trabalhadores da iniciativa privada.

É justamente porque o desconto é automático, que os juros são mais baixos do que o crédito obtido em outras modalidades. Vale lembrar que, de modo geral, a recomendação é que a parcela de um empréstimo não comprometa mais do que 30% da sua renda.