Mulher é atropelada por motociclista em fuga da Polícia Militar

Indagado sobre a fuga o mesmo respondeu aos policias “só corri pra ver se dava”, sem ao menos se importar com o risco que oferecia as outras pessoas

Na tarde deste sábado (10), um mulher sofreu ferimentos após ter sido atropelada, por um motociclista que estava fugindo da Polícia Militar. O acidente aconteceu na região central de Araras/SP, na rotatória próxima ao Posto Volpe. A unidade de Resgate dos Bombeiros foi acionada por populares e fez o socorro da vítima.

Fuga

clique na imagem e saiba mais

Os PMs Souza e Barros – ROCAM (Rondas Ostensivas co Apoio de Motocicletas), em patrulhamento pela região central, depararam com um indivíduo de cor negra, ocupando uma Honda/Twister, fazendo manobras perigosas entre os veículos. Imediatamente os policiais deram sinal para o mesmo parar , ele não respeitou e fugiu em alta velocidade. Na Rua Albino Cardoso, próximo ao Posto Volpe, ele acabou atropelando uma mulher que estava atravessando o local e continuou a fuga, o PM Souza parou para prestar atendimento, enquanto seu parceiro continuou o acompanhamento.

A correria continuou por várias ruas na região central, inclusive na contramão, e na Praça do Tiro de Guerra, o PM Barros e demais viaturas que estavam no apoio, conseguiu aborda-lo.

Indagado sobre a fuga o mesmo respondeu aos policias “só corri pra ver se dava”, sem ao menos se importar com o risco que oferecia as outras pessoas,  perguntado sobre e ele havia visto o que fez minutos antes, se referindo ao atropelamento, com frieza o mesmo respondeu “ela entrou na frente”.

Delegacia

Foi constatado que o rapaz detido não possuía habilitação, tinha diversos B.O.’s de direção perigosa (com e sem vítima), porém a moto estava com a documentação em dia. Ao ser apresentado na delegacia, o próprio escrivão que estava presente se espantou e disse “você de novo !!”, levado até o delegado de plantão, foi feito um TERMO CIRCUNSTANCIADO DE OCORRÊNCIA, que é um registro de um fato tipificado como infração de menor potencial ofensivo, ou seja, os crimes de menor relevância, que tenham a pena máxima cominada em até 02 (dois) anos de cerceamento de liberdade ou multa, e na sequência o mesmo foi liberado.

Escrito por Beto Ribeiro com informações da Polícia Militar de Araras/SP