Univesp: Alunos de Pedagogia produzem videoaula sobre a cultura indígena no país

Material foi elaborado em atividades voltadas ao Projeto Integrador; tema é direcionado ao 5º ano do Ensino Fundamental.

Os futuros pedagogos Aline Fornaziere, Ester de Carvalho, Giovanna Taglianetti, Hosana do Nascimento, Maria Alice Caporicci, Rosiane Ferreira e Sérgio Wefer, do polo UNICEU Alvarenga, na capital, da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp), trabalharam no Projeto Integrador (PI) do segundo semestre de 2019 um tema relevante no resgate da cultura: os povos indígenas.

Com a tutoria de José Luiz Pereira, o grupo apresentou a proposta “Cultura Indígena: desenvolvendo a percepção de espaço e tempo, por meio de videoaula com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental”.

clique na imagem e saiba mais

A iniciativa surgiu após os alunos receberem a tarefa de aprimorar o ensino de História e Geografia nos anos iniciais de aprendizado. Após pesquisas e atividades com estudantes de três escolas municipais da zona sul de São Paulo, eles identificaram pouco conhecimento sobre a comunidade indígena e a influência dela na sociedade.

“Concluímos que as crianças precisam ser inseridas no universo da cultura indígena de forma mais profunda. É necessário que conheçam esses povos, mas, acima de tudo, aprendam a valorizar e respeitar sua história, visto que umas das finalidades da escola é formar para a cidadania”, afirmou o grupo no relatório final do PI.

Ferramentas audiovisuais

Para atingir de forma mais eficiente o público-alvo do projeto, a equipe produziu a videoaula “Indígenas do Brasil, ontem, hoje e amanhã: uma viagem no tempo”. De acordo com a turma, os pequenos estudantes são nascidos na era digital e o uso de ferramentas audiovisuais facilita o aprendizado. “Com a comunicação digital, a escola pode se apropriar de novos meios para promover aprendizagem e compartilhar conteúdos”, escreveram os alunos.

Segundo o relatório final do PI, a atividade gerou retorno positivo das professoras das escolas municipais. “Elas identificaram no trabalho potencial para refletir sobre as questões relacionadas ao espaço e tempo, oportunidade para aprofundar os conhecimentos sobre a temática indígena, além da possibilidade de utilizar um material didático de alta aceitação pelos alunos”, citaram os estudantes no documento.