Uso de cigarro eletrônico para prevenir recaída não funciona, aponta estudo

Uso do aparelho também tornou-se controverso em alguns países devido às advertências sobre possíveis efeitos à saúde a longo prazo.

Usar cigarros eletrônicos e outros produtos relacionados ao tabaco para evitar uma recaída ao cigarro não parece ser eficaz, de acordo com um novo estudo realizado com cerca de 13.000 fumantes nos Estados Unidos.

“Este é o primeiro estudo a relatar se os fumantes de cigarros podem mudar para cigarros eletrônicos sem recair no tabagismo”, disse o autor do estudo John Pierce, professor de medicina familiar e saúde pública do Instituto de Saúde Pública da UC San Diego, em Escola Wertheim de Saúde Pública e Ciências da Longevidade Humana.

“Parar de fumar é a coisa mais importante que um fumante pode fazer para melhorar sua saúde”, disse ele em um comunicado anexado ao estudo, “mas as evidências indicam que mudar para cigarros eletrônicos tornou menos provável o abandono do hábito de cigarros”.

O estudo não analisou o uso de terapia de reposição de nicotina (NRT), projetada para ajudar as pessoas a parar de fumar, disse Pierce à CNN. Essas terapias incluem adesivos, goma de mascar e pastilhas que contêm quantidades limitadas de nicotina.

“Este artigo não está focado em tentativas de parar”, disse Pierce. “É focado em pessoas que parecem ter tido sucesso em parar de fumar e se aqueles que mudaram para uma fonte alternativa de nicotina – isso raramente é o uso de longo prazo de NRT – se saem melhor do que aqueles que estão abstinentes de nicotina”.

Uso de cigarros eletrônicos como auxílio anti-tabagismo

Os cigarros eletrônicos estão cada vez mais sendo usados ​​como uma alternativa à nicotina, à medida que os fumantes procuram maneiras de largar o vício – e depois ficar longe do cigarro para sempre. Os cigarros eletrônicos funcionam aquecendo um líquido puro chamado suco eletrônico – composto de aromatizantes, propilenoglicol, glicerina e muitas vezes nicotina – até que se vaporize.

O uso de vapor para parar de fumar se tornou especialmente popular no Reino Unido depois que um estudo descobriu que os cigarros eletrônicos ajudaram 50.000 a 70.000 fumantes na Inglaterra a parar de fumar em 2017.

Vaping supostamente eliminou os 7.000 ou mais produtos químicos encontrados em um cigarro aceso e sua fumaça, muitos dos quais são tóxicos, de acordo com um estudo da Universidade Johns Hopkins.

Mas seu uso tornou-se controverso nos Estados Unidos e em outros países devido às advertências sobre possíveis efeitos à saúde a longo prazo, possivelmente de ingredientes além da nicotina no suco ou cartucho de vapor.

O Cirurgião Geral dos Estados Unidos afirma que os vapores podem conter “partículas ultrafinas que podem ser inaladas profundamente nos pulmões, aromatizantes como o diacetil, uma substância química ligada a doenças pulmonares graves, compostos orgânicos voláteis e metais pesados, como níquel, estanho e chumbo”.

Além disso, vários estudos descobriram que o uso por adolescentes é uma porta de entrada direta para o tabagismo tradicional, em uma época onde o uso de cigarros eletrônicos por adolescentes estava disparando.

Um surto de 2019 de uma misteriosa doença pulmonar relacionada à vaping entre os jovens americanos também disparou o alarme. Em fevereiro de 2020, a condição havia matado pelo menos 68 pessoas e adoecido mais de 2.807, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Um americano de 18 anos que vaporizou por mais de um ano acabou no hospital com “pulmões como os de um homem de 70”.

A condição, agora conhecida como EVALI (cigarro eletrônico ou lesão pulmonar associada ao uso de vapor), está fortemente ligada aos cigarros eletrônicos contendo acetato de vitamina E, uma substância oleosa e pegajosa que pode aderir ao tecido pulmonar.

Quase 8% mais probabilidade de recaída

O novo estudo, publicado terça-feira na revista JAMA Network Open, analisou dados sobre pessoas que pararam de fumar. Os dados foram coletados pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas e pelo Centro de Produtos de Tabaco da Food and Drug Administration.

O estudo analisou se os fumantes pararam com a ajuda de outras formas de tabaco, como charutos, cigarrilhas, charutos filtrados, cachimbos, narguilé, produtos sem fumaça como rapé e qualquer cigarro eletrônico. O estudo então analisou as taxas de recaída em intervalos de dois anos.

“Nosso objetivo neste estudo foi avaliar se ex-fumantes recentes que mudaram para e-cigarros ou outro produto do tabaco eram menos propensos a recair no tabagismo em comparação com aqueles que permaneceram livres do tabaco”, disse a autora sênior Karen Messer, chefe da Divisão de Bioestatística e Bioinformática da Escola de Saúde Pública Herbert Wertheim.

A análise constatou que 50% dos ex-fumantes que pararam de fumar, espontaneamente e sem ajuda de aparatos, pararam de fumar no segundo acompanhamento anual. Mas apenas 41,5% daqueles que usaram qualquer outra forma de uso do tabaco, incluindo cigarros eletrônicos, pararam com sucesso.

“Aqueles que mudaram para os cigarros eletrônicos (ou mesmo outra forma de tabaco) tiveram 8,5 pontos percentuais mais probabilidade de recair para os cigarros”, disse Pierce.

“Se mudar para os cigarros eletrônicos foi uma forma viável de parar de fumar, então aqueles que mudaram para os cigarros eletrônicos deveriam ter taxas de recaída muito mais baixas. Não encontramos evidências disso”, disse ele.

Estudos adicionais são necessários para analisar como o uso do cigarro eletrônico afeta o abandono e a recaída por longos períodos de tempo, afirmaram os autores.

“Para que os cigarros eletrônicos realmente funcionem na cessação do tabagismo a longo prazo, as pessoas devem abandonar completamente o cigarro”, disse Pierce. “Até o momento, os pesquisadores não conseguiram demonstrar que os fumantes podem fazer isso.”

Como obter sucesso no processo de parar de fumar

A boa notícia é que os fumantes conseguem parar de fumar. Na verdade, o CDC disse que, há uma década, existem mais “ex-fumantes do que fumantes atuais” nos Estados Unidos.

O CDC, nos Estados Unidos, oferece acesso gratuito a treinadores para parar de fumar, todos ex-fumantes, que ajudam as pessoas a estabelecer um plano de parar de fumar e fornecem informações e acesso a terapias e medicamentos de reposição de nicotina, orientação de suporte social e dicas sobre como usar aplicativos, sites e suporte por mensagens de texto.

(Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT