USP oferece curso que ensina idosos a usar aparelhos digitais

Curso existe desde 2015 e, devido à pandemia, foi adaptado para o formato remoto. Aulas gratuitas buscam ensinar os idosos a utilizarem bem todas as funcionalidades dos aparelhos.

Desde 2015, o curso Práticas com Tablets e Celulares é oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos para idosos que queiram aprender a utilizar bem os dispositivos digitais, sendo caso de sucesso da instituição: as inscrições atraíam filas de interessados.

Gratuitas, as aulas são oferecidas todos os semestres em duas turmas: uma para quem já tem conhecimentos básicos e outra para iniciantes, que devem fazer as aulas junto com um acompanhante. No total, são 50 vagas.

A proposta do curso é auxiliar o público acima de 60 anos a utilizar bem as funcionalidades dos dispositivos.

No grupo de iniciantes, o foco é em configurações básicas como despertador, teclado virtual, inserir wi-fi e utilizar aplicativos como WhatsApp, Facebook, Google e YouTube.

Entre os que já possuem uma base, a formação foca em outras demandas como o Instagram, Uber, iFood, aplicativos que, uma vez aprendidos, oferecem certa autonomia aos idosos.

Nos anos anteriores, o curso era oferecido apenas de forma presencial, mas a pandemia fez com que as atividades tivessem que ser suspensas em março de 2020. Na época, as turmas do semestre ainda estavam em sua terceira semana.

A primeira tentativa de adaptação para o online foi gravar as aulas remotamente para os alunos na modalidade avançada assistirem e depois enviarem as atividades realizadas em casa.

Contudo, a tentativa não deu muito certo. Os alunos se desmotivaram, pois não sentiam que estavam em um ambiente de aprendizado e de trocas sociais.

No segundo semestre de 2020, a organização do projeto resolveu reformular o curso e pensar em estratégias para fazer dar certo. As aulas ainda seriam virtuais, mas dessa vez ao vivo, através do Google Meet. Como isso exige algum conhecimento tecnológico, o curso foi oferecido apenas na modalidade avançada.

Tutores voluntários ajudavam remotamente os idosos na realização dos exercícios para acompanhar o desempenho de cada um. Atualmente, o projeto conta com duas turmas nesta modalidade.

A formação vem trazendo bons resultados, com algumas das alunas se tornando youtubers. Mas também há problemas. Em uma das aulas, por exemplo, os alunos estavam aprendendo a usar o iFood e deveriam encontrar um restaurante e colocar itens na sacola.

Embora a atividade parasse por aí, uma das idosas finalizou a compra sem perceber. Algum tempo depois, para sua surpresa, chegaram à sua porta dois escondidinhos de calabresa tamanho família. O filho conseguiu cancelar o pedido e o entregador voltou para o restaurante com a entrega.

Por outro lado, também acontecem momentos emocionantes. Ao aprender a usar o aplicativo de música Spotify, por exemplo, muitos compartilham prints com a turma, emocionados por encontrar uma música do seu artista preferido.

Os idosos interessados em participar da formação precisam possuir um celular ou tablet próprio, com acesso à internet e e-mail com sistema operacional Android. As inscrições para novas turmas devem ser abertas no segundo semestre.

Fonte: ECOA | UOL

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT