Vendedor é assassinado a tiros após assalto em sua casa em Nova Santa Cruz

O crime aconteceu por volta das 6h40 desta quinta-feira, chocou a vizinhança.

Quinta-feira (29), começou de forma trágica em Mogi Mirim, com um latrocínio que chocou os moradores o bairro Nova Santa Cruz, Zona Oeste da cidade. O vendedor Paulo César Manara, 56 anos, que trabalhava na empresa Morecap/Vipal, foi assinado após um assalto em sua casa, situada à rua Elisa Mansur Pierobon.

Segundo testemunhas, por volta das 6h30, Manara abriu o portão automático para colocar o lixo para fora. Nesse momento, dois homens que estavam em uma picape Chevrolet Montana, estacionada ao lado da casa da vítima, renderam o vendedor.

Ele foi obrigado a entrar na residência com os ladrões. Quando saiam carregando uma TV, houve uma série de disparos de uma pistola 9 mm contra a vítima. Vários tidos acertaram o vendedor, que ainda chegou a caminhar por alguns metros e caiu em frente à sua casa, esvaindo-se em sangue.

clique na imagem e saiba mais

Após balearem o vendedor, os bandidos fugiram rapidamente do local, efetuando disparos para o alto. Só levaram a TV, deixando para trás, inclusive, o celular e o notebook de Manara. Não se sabe se a vítima teria entrado em luta com um dos assaltantes, para provocar uma reação tão violenta por parte dos marginais.

Pelo menos oito cartuchos de munição 9 mm foram achados no local do crime. A Polícia Militar foi acionada e chegou ao local. Manara ainda estava vivo e foi imediatamente levado pelos policiais militares à Santa Casa. Porém, em virtude da gravidade dos ferimentos, ele não resistiu e morreu no hospital.

A Polícia Civil agora tenta obter imagens de câmeras que possam ter gravado os bandidos ou a placa da picape Montana. Na casa de Manara, um sistema de monitoramente havia acabado de ser instalado, mas não se sabe se captou as imagens do assalto.

Manara era muito conhecido em Mogi Mirim e querido pelos colegas de trabalho. Segundo um parente, que foi ao local do crime, ele havia acabado de se tornar avô. Na vizinhança, o clima era de consternação e medo, uma vez que aquela rua era considerada bastante segura pelos moradores. Fonte: Portal da Cidade Mogi Mirim