Veterinário orienta sobre cuidados com cães durante os banhos em casa

Segundo o especialista de Rio Preto (SP), é preciso ter atenção ao xampu, à proteção dos ouvidos, temperatura da água e frequência dos banhos; secagem e escovação também são importantes.

Assim como os humanos, os animais também precisam de higiene. No caso dos cães, os banhos regulares são fundamentais. Mas é preciso ter alguns cuidados para evitar complicações, principalmente quando o banho é feito em casa.

Segundo o veterinário Rodolfo Nogueira, de São José do Rio Preto (SP), o primeiro passo é escolher um xampu formulado e fabricado para pets. É importante dar preferência a produtos naturais e sem grande concentração química para não prejudicar a pelagem e a pele dos bichinhos.

De acordo com o especialista, outro ponto de atenção são os ouvidos dos animais, que devem ficar protegidos durante o banho. “Sempre que for dar banho, é fundamental preencher a orelha do animal com algodão para que não entre água, que pode ocasionar otite ou até perfuração de estruturas do conduto auditivo.”

clique na imagem e saiba mais

A temperatura da água também pode ser prejudicial ao animal se estiver muito quente ou gelada. O ideal, segundo o veterinário, é a água morna, com temperatura entre 34 e 38 graus.

Após o banho, é necessário secar corretamente e, para os animais de pelagem longa, uma boa escovação é fundamental. Deixar a pele e os pelos molhados ou úmidos pode ocasionar dermatite fúngica. “Esses animais precisam de uma boa escovação para não formar nós e para que os pelos não fiquem embolados. Os nós podem acumular sujeira e, nesses locais, a pele pode ficar roxa, podendo até sofrer necrose”, explica Rodolfo.

Veterinário dá dicas para dar banho nos cachorros em casa — Foto: Divulgação

Frequência

Segundo o especialista, é recomendado que os banhos sejam semanais em animais de pelos longos. Para os de pelos curtos, o recomendado é a cada 15 dias. O veterinário alerta para que todos os cuidados recomendados sejam seguidos. Caso contrário, o risco de dermatite fúngica, bacteriana ou alérgica aumenta.

Os principais sinais da inflamação são vermelhidão, irritação, lesões e ulceração da pele. Nesses casos, os tutores devem procurar atendimento veterinário. Em relação aos felinos, o banho frequente com água não é indicado na maior parte dos casos. Isso porque o banho é um grande agente causador de estresse nos gatos e pode até causar problemas metabólicos nesses animais. “A gente indica o banho a seco, com produto próprio, comprado em pet shop. Basta fazer a aplicação do produto, com o pelo seco, e finalizar com a escovação.”

*Colaborou sob supervisão de Heloísa Casonato

ÁGIL DPVAT