Vigilância Epidemiológica confirma morte de menino de 7 anos por febre maculosa em Hortolândia, SP

Óbito aconteceu no dia 3 de novembro, no Hospital Estadual de Sumaré (HES), mas foi confirmado nesta quinta-feira (25).

A Prefeitura Municipal de Hortolândia (SP) confirmou, nesta quinta-feira (25), a primeira morte por febre maculosa no município neste ano. A vítima, de acordo com informações de familiares, é um menino de 7 anos que morreu no dia 3 de novembro.

O óbito aconteceu no Hospital Estadual de Sumaré (HES), após a criança dar entrada encaminhada por outra unidade hospitalar. “O paciente veio encaminhado do Hospital Mário Covas para realização de tomografia, evoluindo a óbito. […] O óbito foi notificado para a Vigilância Epidemiológica (VE) e identificado que o paciente também tinha sido atendido no PS do Hospital Mário Gatti”, informou o HES em nota.

Ainda conforme a unidade estadual, o diagnóstico foi feito após a morte do paciente, com soro armazenado na soroteca do Hospital Mário Gatti. Hortolândia informou, nesta sexta-feira, que registra neste ano 39 casos suspeitos da doença, sendo que 24 foram descartados, 14 aguardam resultado de exames e um, o do menino de 7 anos, evoluiu para óbito.

“A Prefeitura Municipal de Hortolândia realiza a colocação de placas de alerta para a população em locais da cidade onde foi constatada a presença de carrapatos. Além disso, a Secretaria de Saúde realiza a distribuição de materiais informativos para a população com orientações sobre a doença e procurar o serviço médico, caso for necessário. As unidades de saúde do município também estão sempre alertas para a possibilidade de pacientes com febre maculosa buscarem os serviços da rede municipal de saúde”, esclareceu a administração municipal em nota.

Veja informações sobre a febre maculosa

O que é?

Conforme o Ministério da Saúde, é uma doença infecciosa, febril aguda e de gravidade variável. Ela pode variar desde as formas clínicas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade. A febre maculosa é causada por uma bactéria do gênero Rickettsia, transmitida pela picada do carrapato.

No Brasil, duas espécies de riquétsias estão associadas a quadros clínicos da febre maculosa. São elas:

  • Rickettsia rickettsii, que produz a doença grave registrada no Norte do estado do Paraná e nos estados da região Sudeste;
  • Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica, que é registrada em ambientes de Mata Atlântica, produzindo quadros clínicos menos graves.

 

No Brasil, os principais vetores e reservatórios são os carrapatos do gênero Amblyomma, tais como A. sculptum (= A. cajennense) conhecido como carrapato estrela , A. aureolatum e A. ovale. Entretanto, potencialmente, toda espécie de carrapato pode ser reservatório da bactéria causadora da febre maculosa, como o carrapato do cachorro.

  • Quais são os principais sintomas?
  • Febre acima de 39ºC e calafrios de início súbito
  • Dor de cabeça intensa
  • Náuseas e vômitos
  • Diarreia e dor abdominal
  • Dor muscular constante
  • Inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés
  • Gangrena nos dedos e orelhas
  • Paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões, causando paragem respiratória

 

Com a evolução da febre maculosa, é comum o aparecimento de manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que não coçam, mas podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou solas dos pés.

Como ocorre a transmissão?

Em seres humanos, é basicamente por meio da picada do carrapato infectado pela bactéria causadora da doença. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral, de 18 a 36 meses.

Ao picar e se alimentar do sangue, o carrapato transmite a bactéria por meio da saliva. Geralmente, a pessoa não percebe que foi picada nem sabe em qual local aconteceu, porque ela não causa dor, apesar de ser o suficiente para abrir espaço para a bactéria entrar no organismo.

O período de infecção da doença, até a manifestação dos primeiros sintomas, é de 2 a 14 dias, mas varia de acordo com cada pessoa.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico precoce é muito difícil, principalmente durante os primeiros dias de doença, tendo em vista que os sintomas também são parecidos com outros problemas de saúde, como leptospirose, dengue, hepatite viral, salmonelose, encefalite, malária, meningite, sarampo, lúpus e pneumonia.

No entanto, o médico fará a avaliação dos sintomas e perguntará onde o paciente mora ou se esteve em locais com grandes chances de ter sido picado por um carrapato. Ele também pode solicitar uma série de exames para confirmar ou contribuir com o diagnóstico.

Como é feito o tratamento?

O tratamento precoce é essencial para evitar formas mais graves da doença e até mesmo a morte da pessoa. Assim que surgirem os primeiros sintomas, é importante procurar uma unidade de saúde para avaliação médica. O tratamento é feito com antibióticos específicos. Em determinados casos, pode ser necessária a internação da pessoa.

O sucesso do tratamento, com consequente redução da letalidade, está diretamente relacionado à precocidade de sua introdução e à especificidade do antimicrobiano prescrito.

A falta ou demora no tratamento da febre maculosa pode afetar o sistema nervoso central e causar encefalite, confusão mental, delírios, convulsões e coma. Os rins podem ser afetados, apresentando insuficiência renal aguda e inchaço por todo o corpo. Os pulmões também podem ser atingidos, em casos mais graves, gerando, muitas vezes, necessidade de suporte de respiração.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP