Vivendo com auxílio emergencial, pai pede emprego no Twitter e viraliza

O vídeo viralizou no Twitter e Wagno se surpreendeu com as novidades que surgiram desde então.

Wagno Teodoro, de 56 anos, está desempregado há um ano, falta apenas três anos de contribuição para conseguir se aposentar e vive com o  auxílio emergencial. Por conta do preconceito do mercado com a idade, Wagno não tem conseguido se reinserir. Então, sua filha Jéssica Vianna, de 28 anos, teve uma ideia: fazer um vídeo em que o pai conta sobre sua carreira. O vídeo viralizou no Twitter e Wagno se surpreendeu com as novidades que surgiram desde então.

Wagno conseguiu sobreviver com o acerto da demissão no último ano e com o apoio da filha. Hoje, ele recebe o  auxílio emergencial do governo federal, mas ele quer e precisa se reinserir no mercado de trabalho. Ele mora na cidade de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais, e tem experiência nos mais diferentes empregos –  como porteiro, atendente de telemarketing, instalador de telefone, recepcionista de hotel, entre outros cargos. 

clique na imagem e saiba mais

“Minha vida toda eu lembro dele saindo cedo pra trabalhar e chegando tarde. E ele gosta muito de aprender, de coisas novas. Tem vontade de ir pra outras áreas e é por isso que estamos mandando vagas pra vários cargos diferentes”, disse Jéssica em entrevista ao portal Estado de Minas.

“Está com dificuldade para se reinserir principalmente por causa da idade. Ele também tem dificuldade pra fazer os cadastros on-line, aí eu o ajudo. Já fizemos em vários, mas não conseguimos nada ainda”, explicou a filha.

Sobre a questão da idade, um estudo da consultoria Robert Half concluiu que 69% das empresas não contrataram trabalhadores com mais de 50 anos em 2019. Segundo especialistas, essa realidade precisa mudar diante da tendência de envelhecimento da população.

Jéssica, então, publicou o vídeo com os relatos no pai no Twitter  na noite dessa quarta (2). Até a manhã desta quinta (3) já tinha mais de 3 mil retweets, 7,7 mil curtidas e um alcance de mais de 400 mil pessoas, com mais de 200 mil visualizações.

“Publiquei meio que sem pretensão e fiquei assustada, porque foi muita gente. Não imaginava toda essa repercussão. Muita gente tentando ajudar como pode, eu realmente não esperava”, afirmou.

Confira o vídeo: