Brasil fica na 14ª colocação em ranking sobre desigualdade social

África do Sul ficou na liderança como o país mais desigual do mundo.

A disparidade na distribuição de renda é um desafio histórico no desenvolvimento de diversas nações, especialmente aquelas classificadas como de médio e baixo desenvolvimento. Países da África e da América do Sul e Central, em especial, têm enfrentado de forma mais acentuada este desafio, conforme apontam dados do Índice de Gini, um coeficiente que mede a concentração de renda.

A medida estatística varia de 0 a 100. Quanto mais alto o número, maior é a desigualdade. Portanto, se a renda fosse distribuída com perfeita igualdade o índice seria zero. O cálculo é feito por meio de uma fórmula matemática que analisa a distribuição acumulada da renda em relação à distribuição acumulada da população que recebe essa renda.

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano 2021/2022, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em maio deste ano, que disponibiliza coeficientes de Gini calculados com os dados mais recentes de cada país entre 2010 e 2021, a África do Sul desponta como a nação de maior desigualdade social. O índice alto se repete em outras nações da África: entre os 15 países mais desiguais, 10 estão no continente.

Países da América Central e do Sul também escancaram a divisão irregular de renda, de acordo com o relatório do PNUD. A Colômbia é o país mais socialmente desigual fora da África, com coeficiente de Gini 54,2.

Segundo os dados do relatório da ONU, o Brasil figura em 14° lugar, dividindo a posição com o Congo, que também tem índice 48,9. De acordo com dados do IBGE de maio de 2022, a parcela de 1% dos brasileiros mais ricos ganha uma renda média mensal 32,5 vezes maior que o rendimento da metade mais pobre da população do país. Em 2022, segundo o IBGE, o País teve o menor resultado no coeficiente de Gini desde 2012.

Ranking completo de países mais desiguais segundo o coeficiente de Gini:

1° África do Sul (63)

2° Namíbia (59,1)

3° Zâmbia – (57,1)

4° República Centro Africana (56,2)

5° Essuatíni – (54,6)

6° Colômbia (54,2)

7° Moçambique (54)

8° Botsuana (53,3)

9° Angola (51,3)

10° Santa Lúcia – (51,2)

11° Zimbabué (50,3)

12° Panamá (49,8)

13° Costa Rica (49,3)

14° Brasil e Congo (48,9)

15° Guatemala (48,3)

Fonte: Pleno News

Artigos Relacionados

Devolução de produtos: saiba quais são seus direitos!

De acordo com o advogado Kleber Luzetti, especialista em direito do consumidor. A devolução de...

Neblina na rodovia? Arteris Intervias orienta sobre como dirigir com segurança nestes trechos

Concessionária monitora 24h por dia os 380,3 km de estradas que administra no interior de...

Entenda como fica a guarda compartilhada durante as férias

Advogada explica como os pais podem entrar em um acordo sobre as crianças nesta época...

Últimas Notícias