Operação da Polícia Federal cumpre mandado em empresa de construção civil de fachada em Rio Claro, SP

Ainda não há informações sobre o que foi apreendido e endereço do outro mandado. Operação ‘Torre Eiffel’ contra o tráfico e lavagem de dinheiro foi realizada em 3 estados.

A operação da Polícia Federal ‘Torre Eiffel’ contra o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro cumpriu dois mandados de busca e apreensão em Rio Claro (SP), nesta terça-feira (28).

Um dos mandados em Rio Claro foi cumprido em uma empresa de construção civil que, segundo a PF, é uma empresa de fachada. O bairro não foi divulgado.

Ainda não há informações sobre o que foi apreendido no local e o endereço do outro mandado.

Também foram cumpridos mandados em Americana, Santa Bárbara d’Oeste, Sumaré e Piracicaba. A operação apreendeu armas de fogo, além de materiais para embalo e preparo de drogas.

Ao todo, 200 policiais participam da operação, que também acontece em Minas Gerais e Santa Catarina. Foram cumpridos 40 mandados de busca e apreensão, 4 de prisão temporária e 11 de prisão preventiva expedidas pela Justiça Federal de Santa Fé do Sul.

A Operação Torre Eiffel tem como objetivo, de acordo com a Polícia Federal, desarticular uma organização criminosa que atua no tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em várias cidades do interior de São Paulo.

Durante as investigações, a Polícia Federal identificou um grande esquema de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, que tinha como base o município de Santa Fé do Sul, mas repercutia em outras cidades do interior paulista.

De acordo com as investigações, a cidade de Americana estaria entre as que faziam parte do núcleo de distribuição de drogas.

A PF estima que, somente nos últimos dois anos, o grupo criminoso movimentou mais de R$ 50 milhões em transações financeiras, mobiliárias e imobiliárias relacionadas ao tráfico de drogas, utilizando contas de empresas adquiridas pelo líder do grupo, bem como em contas de “laranjas” da organização criminosa na compra e venda de bens móveis e imóveis.

Dentre as formas de lavar o dinheiro do tráfico de drogas, foram identificadas movimentações financeiras relacionadas a centros de beleza e estética, hotéis, concessionárias de revenda de veículos, empresas de mototáxis, açougue, supermercado, compra e venda de bens móveis, imóveis, entre eles uma cobertura no litoral, jet-skis, lanchas, joias, veículos de luxo e até mesmo o patrocínio de um time de futebol da região de Americana.

Entre os presos na operação está a esposa do líder do grupo, que é advogada. A polícia acredita que ela utilizava a profissão para atender aos interesses do marido e da organização criminosa, principalmente relacionadas a alguns detentos vinculados ao grupo, que estão no sistema prisional paulista.

Os presos vão responder por vários crimes relacionados ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, com penas máximas de até 30 anos de reclusão. Os presos serão conduzidos para unidades prisionais da região em que foram detidos.

Artigos Relacionados

OPERAÇÃO ADAGA VII: Homem é preso pela Polícia Militar por não pagamento de pensão alimentícia em Araras, SP

Diante dos fatos ele foi apresentado no plantão da Central de Polícia Judiciária, onde após...

ROMU realiza prisão em flagrante durante patrulhamento ostensivo na região leste de Araras, SP

Em revista pessoal foi localizado um celular Samsung, e ao averiguar a pochete que ele...

PM prende dupla que furtou óculos de banhista e descobre que ‘vítima’ era procurada com pena até 2044

Caso aconteceu em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, a...

Últimas Notícias