Pedreiro encontra larvas em molho de tomate e corpo estranho: ‘pele de rato’

Doriedson de Borba Martins, chegou a consumir o molho com macarrão junto com a filha, de 8 anos.

Um pedreiro encontrou um corpo estranho repleto de larvas em um molho de tomate, enquanto usava o produto no preparo de uma macarronada em Miracatu, no interior de São Paulo.

Doriedson de Borba Martins, de 26 anos, contou à reportagem ter comprado o pacote de molho de tomate em 11 de novembro. No último sábado (18) contou ter aberto a embalagem e usado um pouco do conteúdo para preparar uma refeição.

“Peguei um pouco do molho à noite, abri o saquinho, coloquei um pouco no macarrão e eu e minha filha comemos”. Só no último domingo (19), porém, ao usar o restante do produto foi que encontrou o corpo estranho e os bichos.

Assim que despejou o molho sobre o macarrão que estava na panela a surpresa: “virei de uma vez [o saco] e caiu essa pele cheia de larva”.

Segundo Doriedson, ele e a filha de 8 anos estão com dor de barriga e enjoo após terem consumido o produto sem perceber a presença do corpo estranho. O pedreiro foi até o médico, onde realizou exame de sangue, mas nada foi detectado. No entanto, fará um novo exame nos próximos dias.

“Não sei [o que é]. Aparentemente, parece pele de rato, tem até pelo, é um couro duro. Na hora me assustei”, afirmou ele.

O pedreiro contou que no momento pensou que fosse algum pedaço de tomate mais grosso e, pela coloração, que poderia estar estragado. “Peguei com a colher e quando fui ver era um couro cheio de larvas”.

Doriedson quer resolver o problema com a empresa e descobrir o que é esse elemento estranho, pois ele e a filha consumiram o molho. “Eu só quero ter certeza que não é rato e que não vai acontecer nada com minha filha e comigo”.

O que diz a empresa?

Em nota, a Fugini Alimentos esclareceu que está em contato com o consumidor para entender o problema apresentado, e explicou que o suposto corpo estranho encontrado, pelas informações obtidas até o momento, tem características de um bolor, que pode surgir devido a danos causados na embalagem, às vezes, imperceptíveis a olho nu, oriundos de manuseio incorreto em transporte ou no armazenamento nos pontos de distribuição e venda.

Segundo a empresa, a produção, enchimento e fechamento das embalagens sachê de molho de tomate é totalmente automatizada. Por não conter conservantes e ser um produto natural, a entrada de ar pela danificação da embalagem pode causar a contaminação do produto e, consequentemente, o surgimento do bolor.

Esse fato, de acordo com a Fugini, também pode ocorrer pelo armazenamento por período incorreto na geladeira, já que, após a abertura da embalagem, o consumo deve ser realizado em até um dia.

A empresa afirmou, ainda, que cumpre com todas as obrigações além de respeitar o compromisso de entregar qualidade e sabor em seus produtos. Desejamos reforçar nosso compromisso contínuo com a segurança alimentar e qualidade.

Artigos Relacionados

Adolescente de 12 anos morre enquanto esperava atendimento médico no interior de SP

Santa Casa de Casa Branca (SP), informou que paciente chegou com sintomas leves, mas quadro...

Cobra sucuri de 4 metros é flagrada atravessando estrada rural na região

Animal foi registrado por autônomo e seu padrasto que estavam a caminho de sítio, entre...

Consumidor de energia elétrica: você conhece seus direitos e deveres?

Para facilitar a compreensão do que é direito e o que é dever do cliente,...

Últimas Notícias