Vale-alimentação nas férias é obrigatório? Regras para férias e licenças

Saber como ficam as regras para vale-alimentação nas férias é uma dúvida comum a todos os funcionários – e deve ser de entendimento do RH da empresa.

De acordo com a advogada Francielli Palma Maciel, consultada pelo site Repórter Beto Ribeiro, no geral, não existe uma legislação específica que defina o pagamento de benefícios para funcionários no período de férias, o que deixa essa decisão livre para o empresário acordar com a sua equipe.

O importante é que todos os detalhes e condições acerca do vale-alimentação nas férias fique claro em contrato para os colaboradores, evitando dúvidas e problemas nos pagamentos.

Quer saber mais sobre esse tema e entender quais as regras para o recebimento do vale-alimentação nas férias? A MaxxCard ajuda você!

Confira abaixo nosso guia completo sobre o assunto; boa leitura!

É um direito continuar recebendo vale-alimentação nas férias?

Vai chegando esse período de descanso que é um direito do trabalhador, e é comum se perguntar o que acontece com o ticket alimentação durante as férias.

A verdade é que o pagamento do próprio benefício de vale-alimentação, e até do vale refeição, é facultativo às empresas.

Ou seja, o empregador, independentemente de contratar CLT ou PJ, é quem decide se concede esse benefício aos seus funcionários.

No que compete ao pagamento de vale-alimentação nas férias, a legislação entende que o benefício não é parte da natureza salarial, e não entram na base de cálculo de férias.

Por isso, se o funcionário recebe vale-alimentação, ele não o recebe no período de férias.

Quando volta de férias tem direito a vale-alimentação?

O pagamento do benefício de vale-alimentação, assim como o vale-refeição e o direito ao  vale-transporte, é feito no início do mês, considerando que o colaborador depende desses benefícios para desempenhar o seu trabalho, fazendo parte da rotina profissional.

Logo, na volta do período de férias, o trabalhador recebe seus benefícios normalmente, diferente do pagamento do salário, que é adiantado no período de férias e conta com algumas regras quando o colaborador volta do período de descanso que é dele por direito

Quando o funcionário perde o direito do vale-alimentação?

Quando o colaborador é demitido do cargo, ou seja, seus serviços são dispensados da empresa, ele perde o direito ao vale-alimentação, vale-refeição, vale-transporte, e demais benefícios inclusos naquele contrato.

Porém, se ainda houver saldo no ticket alimentação após a demissão, o funcionário tem o direito de usar aquele crédito até o fim do valor em conta, sem renovação do benefício.

Durante licença remunerada recebe vale-alimentação?

Como o vale-alimentação faz parte da contabilidade do salário, o benefício é mantido em casos de licença remunerada, ou seja, quando o colaborador está afastado, mas continua recebendo seu pagamento.

Esse acordo deve estar claro em contrato e, se houver qualquer tipo de dúvida ao colaborador que solicitar uma licença remunerada, o RH deve solucioná-las antes do período do afastamento.

Vale-alimentação na licença maternidade

No que diz respeito ao pagamento do vale-alimentação no período de licença maternidade, a lei não se manifesta nem impõe regras à empresa.

Logo, fica a critério da empresa o pagamento do vale-alimentação na licença maternidade de um colaborador ou colaboradora.

Porém, é indicado que seja consultada a convenção coletiva do sindicato a respeito do pagamento, bem como a decisão adotada pela empresa ser comunicada ao colaborador.

O que diz a Legislação sobre vale-alimentação nas férias?

O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), juntamente com os Ministérios do Trabalho, da Fazenda e da Saúde, por meio da Lei de número 632, defendem a postura das empresas em adotar benefícios para oferecer aos seus colaboradores uma alimentação mais saudável.

Recentemente, a nova lei que rege os benefícios como vale-alimentação e vale-refeição trouxe algumas considerações acerca de como esses créditos devem ser repassados ao colaborador nas empresas que adotam o pagamento.

Porém, para o repasse do vale-alimentação nas férias, mantém-se o que o RH já deve estar ciente: o vale-alimentação, por não ser de caráter salarial, não deve ser pago no período de férias.

Qual é a duração do período de férias?

Assegurada pela própria Constituição Federal, o período de férias é direito do trabalhador de carteira assinada, depois de, no mínimo, um ano trabalhando na mesma empresa.

O período total de férias disposto ao empregado é de 30 dias, que sofreu alteração na forma como é fracionada depois da Reforma Trabalhista.

Desde 2017, o funcionário pode, desde que de acordo com as condições do empregador, dividir o período de férias em até três períodos, desde que esses períodos não sejam inferiores a 14 dias corridos.

O que são consideradas faltas justificadas?

Como previsto na CLT, o colaborador de determinada empresa pode se ausentar, sem prejuízo de salário, de suas atividades laborais em caso de:

  • nascimento de filho;
  • em virtude de casamento;
  • comparecimento em juízo;
  • doação voluntária de sangue;
  • para o fim de se alistar eleitor;
  • realização de provas de vestibular;
  • cumprimento de exigências do Serviço Militar;
  • representação de entidades sindicais em reuniões oficiais;
  • acompanhamento de filho, de até seis anos, em consultas médicas;
  • realização de exames preventivos de câncer que sejam devidamente comprovados;
  • acompanhamento de esposa ou companheira em consultas médicas no período de gravidez;
  • falecimento de cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa declarada na carteira de trabalho.

Como é feito o pagamento nas férias?

Como previsto pela CLT, no período de férias, o colaborador tem direito ao seu salário e o pagamento do adicional de férias, que corresponde ao total de ⅓ do seu salário bruto.

Ainda, o pagamento do salário e do seu adicional de férias deve ser repassado ao colaborador até dois dias antes do início do respectivo período.

Além do pagamento, quais benefícios o trabalhador recebe durante as férias?

A Legislação Trabalhista prevê um período de descanso remunerado depois de 1 ano de trabalho na mesma empresa, e esse período deve ser acordado entre empregador e funcionário.

Além do pagamento do salário e do adicional de férias (⅓ do valor do salário bruto), o pagamento das férias deve contar com os seguintes benefícios:

  • adicionais noturnos;
  • horas extras adicionais;
  • insalubridades adicionais;
  • periculosidades adicionais;
  • demais adicionais e vantagens acordados entre o empregador e o colaborador.

Conclusão

Agora você já sabe tudo sobre as considerações do vale-alimentação nas férias!

Período de descanso que é direito do trabalhador, o pagamento de benefícios, ou o não-pagamento deles, deve seguir o que é previsto na Legislação, e comunicado para o colaborador desde a assinatura do contrato de trabalho.

Artigos Relacionados

Empregado afastado tem direito as férias?

O afastamento prolongado do trabalhado do serviço em razão de doenças e acidentes de trabalho,...

Funcionário Sem Vale-Transporte Pode Faltar Ao Trabalho?

A lógica por trás disso é simples: o trabalhador não deve ser penalizado pela incapacidade...

Dano em veículo causado por buraco na rua pode ser cobrado da prefeitura; saiba como

A maioria das pessoas acaba arcando com os danos; reportagem conversou com advogado Kleber Luzetti,...

Últimas Notícias