Advogado fala sobre os direitos do consumidor na rematrícula em escolas

A escola tem o dever de informar todas as condições de maneira clara e ostensiva no ato da assinatura do contrato para que os responsáveis financeiros não sejam surpreendidos com a cobrança da 13ª mensalidade, respeitando, assim, o direito de escolha do consumidor (art. 6º, incisos II e III, do CDC). A cobrança de um valor a parte do valor anual é abusiva e está em desacordo com tal legislação.

A incumbência de garantir a educação dos filhos pode ser tensa para os pais ou responsáveis. A tarefa de rematrícula escolar por exemplo, que deveria ser simples, pode assustar devido aos reajustes, taxas, débitos, material escolar, uniformes e outros.

O advogado Kleber Luzetti, especialista em direito do consumidor, comenta pontos de atenção sobre contratos e sobre a regulamentação existente e alerta aos pais para ficarem atentos e não caírem em práticas abusivas realizadas por alguns estabelecimentos, principalmente em relação à cobrança da taxa de rematrícula, também conhecida como 13ª mensalidade ou reserva de vaga.

A prática é considerada abusiva, segundo a Lei federal nº 9.870/99, artigo 1º, §5º, que veda à escola a cobrança de taxas de pré-matrícula aos alunos que já possuem contrato com a instituição ou de quaisquer outras prestadas que excedam o valor total anual ou que impliquem no pagamento de mais de doze mensalidades por ano. A prática também é considerada abusiva pelo artigo 39 da Lei nº 8.078/1990, Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC).

O advogado esclarece que o valor da taxa de reserva deve estar incluso no valor total do contrato anual diluído em doze meses, todavia, a instituição de ensino pode oferecer como alternativa a divisão em 13 parcelas, não podendo ser cobrado valor a mais que o total estipulado no contrato.

A escola tem o dever de informar todas as condições de maneira clara e ostensiva no ato da assinatura do contrato para que os responsáveis financeiros não sejam surpreendidos com a cobrança da 13ª mensalidade, respeitando, assim, o direito de escolha do consumidor (art. 6º, incisos II e III, do CDC). A cobrança de um valor a parte do valor anual é abusiva e está em desacordo com tal legislação.

O estabelecimento de ensino deve informar também a proposta de contrato, o valor da anuidade e o número de vagas por sala até 45 dias antes da data final da matrícula, conforme previsto na legislação. Caso o aluno ou o responsável pague o valor da matrícula antecipada e desista antes do início das aulas, o valor deverá ser restituído integralmente.

“Os responsáveis devem observar detalhadamente os valores que estão sendo cobrados e ainda exigir as condições estipuladas em contrato para não serem surpreendidos. Caso constatem alguma cobrança abusiva, devem procurar o Procon assim que possível”, orienta Luzetti.

O consumidor pode fazer denúncia anônima ao órgão, que tomará providências contra a instituição que pratique conduta irregular. Para isso, deve apresentar a cópia do contrato, a cobrança com o comprovante de pagamento e demais documentos para o esclarecimento dos fatos.

Artigos Relacionados

Está com seu salário atrasado? Entenda quais são seus direitos

O site Repórter Beto Ribeiro conversou com a advogada Francielli Palma Maciel, segundo ela o...

Aposentadoria por idade: confira os requisitos em 2024

A aposentadoria por idade é um benefício concedido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)...
Cantora gospel Aymée Rocha denuncia realidades chocantes em música no Dom Reality

Cantora gospel Aymée Rocha denuncia realidades chocantes em música no Dom Reality

Nos últimos dias, um vídeo da apresentação de Aymée Rocha no Dom Reality, um show...

Últimas Notícias