Bebê considerada morta por médico durante a gestação completa nove meses de vida

Mãe contou ter ido ao Hospital dos Estivadores, em Santos (SP), para refazer um ultrassom, já que o primeiro teste não captou os batimentos cardíacos. A prefeitura e o hospital informaram que apuram o caso.

Uma mãe enfrentou uma gravidez conturbada, após ouvir de um médico que a bebê dela estaria morta.

Mesmo sem examiná-la, o profissional indicou que ela fosse internada para retirar o feto, nos primeiros meses de gestação, no Hospital Estivadores, em Santos, no litoral de São Paulo.

Ela decidiu não seguir a recomendação. Hoje, com a filha Maria Clara, de 9 meses, nos braços. A prefeitura e a unidade de saúde informaram que investigam o caso.

A atendente Maria Jaine Viana, de 30 anos, conta ter descoberto a gravidez em junho de 2022. Logo em seguida, ela foi à Policlínica do Morro São Bento, onde uma médica solicitou a primeira ultrassonografia.

No primeiro exame, segundo a mãe, não foi possível escutar os batimentos cardíacos da bebê, mas, os médicos disseram que era normal porque a fecundação havia sido recente.

Após um mês, Maria Jaine levou o resultado à policlínica, e a médica pediu uma nova ultrassonografia, no Hospital dos Estivadores, com urgência.

“Em momento algum, ela [médica] falou que a minha filha estava morta”, disse ela, que tem outra menina de sete anos.

Assim que chegou ao hospital para realizar o exame, Maria Jaine afirmou ter sido orientada a ir ao médico antes realizar a ultrassonografia.

A mulher contou que o profissional viu o primeiro exame — que não havia acusado batimentos –, não a encostou e falou que a bebê estava morta. A família entrou com uma ação contra o profissional. (leia mais abaixo)

Eu não acreditei. Eu fui pelo meu coração e não pelo meu psicológico. No momento, eu falei assim: ‘Eu não estou sangrando, eu não estou sentindo nada, doutor’ e ele falando que o feto estava morto, que eu tinha 29 anos, que eu era jovem [para engravidar novamente]. Foi aí que entrei em desespero”, disse.

Segundo Maria Jaine, o médico se negou fazer uma nova ultrassonografia e disse que a ela já poderia ser internada para retirar o feto. A mulher se recusou e falou que faria um novo exame.

O marido e pai de Maria Clara, José Maximiano dos Santos, de 30 anos, contou que estava trabalhando quando a esposa ligou e contou o ocorrido.

“Fiquei arrasado, mas continuei firme e forte porque eu sabia que isso era uma ilusão”, acrescentou ele, que trabalha como ajudante geral.

A mulher contou ter feito nova ultrassonografia um dia após o diagnóstico de que a bebê estaria morta.

Durante o exame a médica falou: “O que você acha mamãe? O que o seu coração está sentindo? Foi aí que eu falei: Não está morta. A minha filha está viva. [Quando ouviram os batimentos cardíacos], todos se emocionaram. Eu entrei em desespero chorando, meu marido se jogou no chão chorando, a médica chorou”.

Leia a matéria completa acessando AQUI.

Artigos Relacionados

Aprovada em processo seletivo perde vaga ao contar gravidez: entenda por que atitude da empresa é ilegal e o que fazer

Ana Gabriela, de 33 anos, descobriu a gestação enquanto estava em busca de um novo...

Adolescente de 12 anos morre enquanto esperava atendimento médico no interior de SP

Santa Casa de Casa Branca (SP), informou que paciente chegou com sintomas leves, mas quadro...

Cobra sucuri de 4 metros é flagrada atravessando estrada rural na região

Animal foi registrado por autônomo e seu padrasto que estavam a caminho de sítio, entre...

Últimas Notícias