Caso de idoso levado morto a banco em 2020 é arquivado e mulher recebe pensão

MP pediu arquivamento por não haver ocorrência de crimes. Mulher levou idoso de 92 anos morto à agência para fazer ‘prova de vida’ e sacar aposentadoria.

O caso da mulher que levou um idoso de 92 anos morto a uma agência bancária de Campinas (SP), em 2020, para fazer “prova de vida” e retirar a aposentadoria dele foi arquivado pela Justiça, a pedido do Ministério Público (MP).

Apontada como suspeita da tentativa de fraude à época, Josefa de Souza Mathias, de 58 anos, que se apresentou como companheira do homem, obteve, por meio de uma decisão judicial de agosto de 2023, o pagamento da pensão por morte.

A situação é semelhante a que aconteceu no Rio de Janeiro na terça-feira (16). O vídeo de um homem morto dentro de um banco na capital fluminense viralizou e levantou uma série de questionamentos.

Uma mulher de 42 anos, que se diz sobrinha e cuidadora do idoso de 68, tentou fazer ele assinar um empréstimo de R$ 17 mil. Ela foi presa por tentativa de furto mediante fraude e vilipêndio de cadáver. A defesa da suspeita alega que a vítima chegou viva à agência.

Artigos Relacionados

Família busca por homem desaparecido há três dias em Araras, SP

Toda informação é valiosa e pode ser a chave para trazer Tico de volta...

ATLAS DA VIOLÊNCIA: Araras está entre os municípios do Brasil com menores índices de assassinatos

Levantamento é referente ao ano de 2022 e foi divulgado pelo Atlas da Violência.O município...

Confira as informações do Plantão Policial desta quinta-feira (20), com o repórter Beto Ribeiro

  O Café Júnior – Um primor de café desde 1945, traz as principais notícias policiais...

Últimas Notícias