DIREITO DO CONSUMIDOR: Como evitar dores de cabeça no Dia dos Pais

Muitas lojas oferecem a possibilidade de o consumidor fazer a troca, caso o presente não agrade.

Agosto é o mês em que os brasileiros comemoram o Dia dos Pais. E como todas as outras datas comemorativas, o Dia dos Pais é aguardado com grande expectativa pelo comércio em geral, devido à grande movimentação gerada junto aos consumidores.
 

Mas, quem deixa para comprar o presente do Dia dos Pais na última hora corre dois riscos: o de encontrar lojas cheias e o de, na pressa, fazer uma escolha errada. Neste último caso, alertam especialistas em direitos do consumidor, nem sempre a troca será possível.

“Ao contrário do senso popular, uma compra realizada em loja física não gera a obrigação do lojista em efetuar a troca do produto por mero inconformismo do cliente, salvo nas hipóteses em que haja um vício ou defeito no bem. Essa práxis de alguns estabelecimentos é uma espécie de cortesia, não havendo previsão legal para tanto. Por isso, o consumidor, ao realizar uma compra em ambiente físico, ou seja, no “mundo real”, deve ficar bem atento às características e qualidade da mercadoria”, declara o advogado Kleber Luzetti, especialista em direito do consumidor da Advocacia Fernandes & Luzetti.
 
Muitas lojas oferecem a possibilidade de o consumidor fazer a troca, caso o presente não agrade. Mas os comerciantes não são obrigados a trocar os produtos se não tiverem defeito. Esse direito só é garantido se o lojista tiver anunciado a possibilidade por meio de placas ou etiquetas nas roupas, por exemplo. Em caso de defeito, o consumidor pode exigir a troca imediata, se o produto for um bem considerado essencial, como uma geladeira ou o carro usado para trabalhar.
 
“Não se tratando de um bem essencial, o Código de Defesa do Consumidor estabelece dois prazos distintos para troca de produtos por ventura de vício ou defeito, sendo de 30 dias corridos para bens não duráveis, como alimentos e peças de vestuário e de 90 dias corridos para bens duráveis, como eletrodomésticos e eletrônicos. Vale dizer ainda que os fornecedores de produtos duráveis e não duráveis respondem solidariamente pelos vícios do produto, onde deverão repará-los no prazo máximo de 30 dias e, caso isto não ocorra, fica a critério do consumidor a escolha entre a substituição do produto, restituição do valor pago ou abatimento no preço”, acrescenta Luzetti.
 
As regras, no entanto, são diferentes para compras feitas pela internet. Nesse caso, o consumidor pode pedir o dinheiro de volta ou exigir a troca, sem precisar justificar o motivo, até sete dias depois da entrega do produto.
 
“Já no ambiente virtual (internet ou telefone), a situação é diferente, o Código de Defesa do Consumidor garante o direito de arrependimento ao comprador, que pode exercê-lo em até 7 dias corridos do recebimento do produto, pois, diferentemente da compra realizada em ambiente físico, o consumidor não tem a possibilidade de analisar detidamente as características e qualidade da mercadoria. Ainda assim, passados estes 7 dias, caso apareça algum defeito ou vício no produto, o consumidor ainda poderá contar com o prazo de garantia”, continua o advogado.
 
De qualquer modo, possibilitar a troca imotivada com bom senso e razoabilidade pode trazer vantagens para ambas as partes: ao consumidor, que ficará plenamente satisfeito com o produto adquirido e o tratamento recebido e ao fornecedor, que terá sua marca vista como estabelecimento que tem atitude de respeito e preocupação com o consumidor, uma ótima oportunidade para fidelizar e aumentar a sua clientela.
 
“Frente a tanta turbulência que a população vem enfrentando, esses festejos são de extrema importância para gerar um certo alívio no ânimo coletivo e fomentar a economia, momento onde deve haver respeito mútuo entre os lojistas, prestadores de serviços e consumidores, sempre pautados pela boa-fé e observância a legislação”, conclui Dr. Kleber Luzetti.
 

 

LEIA TAMBÉM:

Artigos Relacionados

Aprovada em processo seletivo perde vaga ao contar gravidez: entenda por que atitude da empresa é ilegal e o que fazer

Ana Gabriela, de 33 anos, descobriu a gestação enquanto estava em busca de um novo...

Adolescente de 12 anos morre enquanto esperava atendimento médico no interior de SP

Santa Casa de Casa Branca (SP), informou que paciente chegou com sintomas leves, mas quadro...

Cobra sucuri de 4 metros é flagrada atravessando estrada rural na região

Animal foi registrado por autônomo e seu padrasto que estavam a caminho de sítio, entre...

Últimas Notícias